Texto: …da maneira que eu sempre quis

Há alguém vivendo no lugar que eu construí para nós. Ele está usando as coisas que lhe ensinei sobre o amor e as nossas recordações. Ele é um vencedor, e eu não nasci para competir. Mas minha alma sabe quem realmente daria o melhor pra ti.

Eu sei que não sou como ele, tão pouco ele igual a mim. Mas ele acende uma luz no seu olhar, da maneira que eu sempre quis.

Ele deixará sua mente embriagada. Mas eu lutaria com você pelos seus sonhos mais altos. Ele te dirá tudo aquilo que você quer ouvir. Eu lhe diria exatamente aquilo que você precisasse.

E tenho medo de você dizer que o ama da forma como já me disse um dia. Medo de você se apegar a esses beijos, e encontrar paz em outro abraço. Porque sei o tempo que levei para trançar esse laço.

Da última vez que te vi, você descansou sua cabeça sob meu colo, e sorria só por estar ali. Depois disso, fez uma escolha como uma criança que encontra um novo super herói favorito. Eu agiria diferente se soubesse que seria a última chance de te ter comigo.

Não houve despedida, ou qualquer conversa que justificasse. Simplesmente acabou. Me deixando com todas essas imagens. Nem mesmo voltou a me olhar para pedir desculpas. Talvez por sentir que não precisasse.

Nós acreditávamos vivenciar o encontro de duas vidas destinadas. Mas agora é ele quem te completa, da maneira que eu sempre quis.

Só não o leve ao nosso restaurante preferido, aquele do nosso primeiro encontro. Não cante para ele as musicas que lhe mandei, não veja filmes com ele da maneira que víamos. Não me substitua em seu peito.

Agora, cabe a mim, me tornar dono da minha própria companhia, me amar por acreditar que me resta valor. Para ser feliz, da maneira que eu sempre quis.

E.Mateus

Foi de repente. Em um minuto estava tudo bem, nos sentíamos confiantes e cada vez mais próximos. O ano seguinte já havia sido idealizado e o entusiasmo em nossas vozes era nítido. Mas em algum momento isso se perdeu, se foi em um estalar de dedos ao ponto que a vida atirava pedras em nossa vitrine frágil.

Para romantizar, foi assim. Para ser sincero, um pouco pior.

De certo modo sempre tivemos a consciência de que um dia as coisas ficariam um pouco mais difíceis, mas nos propomos a ir até onde era possível.

Atingimos aquele ponto de nossas vidas em que somos obrigados, por sobrevivência, a providenciar formas de ter algo para nós mesmos. Nos deparando com a necessidade cada vez mais visível de se obter uma boa qualificação, adquirir independência, criar laços mais concretos, e ganhar dinheiro.

E por mais que este blog tenha surgido como uma espécie de hobby, nunca deixamos de acreditar naquilo que tentamos fazer aqui. A muito tempo isso deixou de ser um sonho jovem. Ficava cada vez mais claro pela forma como nos reuníamos para planejar assuntos e discutir ideias, pesquisar eventos, e tentávamos amadurecer o conteúdo.

Dedicamos muito tempo e energia por aqui, e sinceramente, não nos arrependemos de nada.

Nosso carinho por esse site aumentou conforme ele passou a refletir nossas vidas. Seu surgimento despretensioso reunindo dois amigos de infância completamente opostos, mas que sempre encontraram em suas conversas um ponto de equilíbrio comum, ganhou força ao adotar um terceiro membro sagaz com uma mente repleta de ideias. Ele era ainda mais diferente que os dois juntos, mas ao mesmo tempo tinha ainda mais coisas em comum com ambos.

A aliança foi formada.

Mas o auge dos contrastes foi atingido quando completamos 23. Aos 23 anos, um se deparava com a crescente urgência da responsabilidade de uma paternidade. Enquanto outro encarava os novos desafios após se formar, e passava a lecionar em uma escola. E ainda havia aquele que aos 23, se sentia perdido, e buscava todos os dias formas de se encontrar em um mundo onde ninguém para pra esperar você se levantar.

Com 23 nos sentimos jovens demais para muitas coisas. Como se alguém estivesse constantemente tentando adiantar um relógio em nossas vidas para um tempo em que ainda não estamos prontos para encarar. Mas também sentimos que não há mais tempo para perder tempo.

É aquele ponto de virada na vida de muitas pessoas, um daqueles momentos onde você passar a ver as coisas de diferentes formas, com a certeza de que esse ponto de virada retornará daqui um tempo, e de novo, e de novo.

Talvez se sinta jovem demais para escolher alguém para passar os próximos anos com você, mas já não é tão jovem ao ponto de não querer a segurança de um amor tranquilo, um porto seguro para noites difíceis, e a certeza de que terá com quem contar.

Fica cada vez mais distante aquela imagem de que ter um relacionamento se resume a caminhar de mãos dadas, e ter uma boca para beijar, ou contar para os amigos que não está sozinho.

Você sente na pele que ter um relacionamento é bem mais do que dizer: Quero estar ao seu lado. — É estar de fato ao lado para quem você faz essas promessas. Você encontra conforto ao dedicar sua lealdade, e encontra forças ao sentir retorno, Os momentos já não são mais tão importantes do que a história como um todo.

E se isso falha, machuca bem mais do que uma desilusão da adolescência.

Pode dizer a si mesmo que não quer ou não precisa de alguém agora, mas seu coração te diz que tem medo de ficar sozinho, e lábios passageiros não mudarão isso.

Com 23, muitos de nós estão terminando suas faculdades, outros ainda começando uma, e há aqueles que não seguiram por esse caminho. Porém praticamente todos passam pelo mesmo questionamento: E agora?

Independente da sua situação a necessidade de se lançar para algo novo ou concreto é inerente. — E agora? — Todos os passos a seguir parecem assustar, muitas das suas escolhas anteriores parecem erradas, e você sempre acha que alguém da sua idade está melhor que você.

Você busca ser positivo, busca não ligar muito pra isso, e seguir da melhor forma possível. Mas então a vida te cobra. Você sente que a pessoa da qual mais deve depender é você mesmo. Ninguém sobrevive de vento, ninguém é ouvido sem conhecer de fato aquilo que sobre o que fala.

Te cobram uma posição. É hora de assumir, ou se esconder.

Os 18 anos parecem bem melhores olhando agora não é.

Mas seria hipocrisia dizer que não há nada de bom. Você ainda tem a força e a determinação da juventude, e mais de mil motivos para não se acomodar naquilo que parece ser o mais fácil. Você não é experiente o bastante, isso lhe faz conhecer coisas novas a cada minuto. Mas sua visão do mundo não se baseia em um senso comum.

Esse vazio instalado no blog nesse último mês reflete o vazio que sentimos nessa fase. Existe muita coisa acontecendo atrás dos palcos. São dúvidas, incertezas, decepções, perdas e mudanças, que no momento parecem grandes demais.

O que sempre tentamos fazer por aqui é trazer um pouco daquilo que gostamos, aprendemos ou gostaríamos de vivenciar. Seja pela arte, a música, o cinema, a fotografia, expressões culturais ou pessoais.

Porém seria difícil, particularmente falando, tentar compartilhar matérias sem que eu estivesse de fato envolvido ou motivado para isso. Espero que não entendam como descaso ou abandono, eu apenas gostaria de fazer algo sincero. Mas a quebra do convívio que tínhamos somado a problemas pessoais deixou tudo mais difícil.

Não está nos meus planos, por ora, aposentar esse canal de informações. No entanto, é provável que muitas mudanças ocorram. Seja como for, uma explicação parecia ser o mais correto no momento.

Eu só tenho a agradecer a todos vocês que estiveram conosco durante esse tempo, e espero continuar com vocês.

 

A gente se vê.
E aquele abraço de sempre.

Hey! Feliz Ano Novo!

Então 2018 chegou, junto com a vontade de dar uma renovada, consertar tudo o que deu de errado no ano anterior, e o sentimento coletivo de ser algo mais, melhor para si mesmo e para os outros.

Nosso blog não esta fora do espírito de crescimento, desde o ano passado já andávamos planejando nossas metas e passos com o site. Que em 2018 levará o conceito de:

“VIVA MAIS EXPERIÊNCIAS”

Em 2017, o desafio dos 52 filmes, — algo popular na internet em vários blogs com suas próprias versões, assim como realizamos a nossa — foi um dos principais temas que movimentou nossos meses por aqui. Começamos a nos desafiar em 2016, porém ano passado decidimos compartilhar nossos avanços, o que acabou sendo uma experiência muito boa.

O desafio de 2018 já foi montado, e está disponível para você conferir e baixar:

Para esse ano, o desafio foi estruturado por temas agrupados em níveis de dificuldade e correlação entre os temas. Porém assim como nos anos anteriores, não há nenhuma ordem a ser seguida, de modo que você escolhe a melhor forma para completar sua lista.

Outra regra que permanecerá esse ano, é a de buscar ver filmes inéditos.

• Você também tem a total liberdade de escolher o ano do filme, quando este já não estiver sendo pedido para o desafio, ou seja não precisa ser apenas estreias.

• O mesmo vale para o gênero do filme; Fica à sua escolha, a menos que já esteja predefinido. 

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR

Espero poder contar com a participação de vocês. Assim como também espero conhecer mais pessoas, ter ótimas conversas e por quê não criar boas amizades. Por isso o desafio desse ano conta com um reforço, uma comunidade no Facebook, onde poderemos compartilhar coisas relacionadas ao mundo do cinema e nosso desafio. Participe!

Convido vocês a embarcar nessa jornada de novas experiências e conhecimento, porque a vida é muito vasta para viver focado apenas em uma coisa.

Abraços fortes,
tenha um ótimo ano.
E até mais.

Então é Natal – 25/12

Então é Natal e nós concluímos nosso especial…. (YAY)

Esse dezembro foi movimentado, nós preparamos receitas, D.I.Y(s), nos preparamos para o próximo ano, tivemos maratonas de filmes e séries, enfim muita coisa boa.  Assim como nos calendários de Natal que inspiraram esse mês de dezembro aqui no Faltou Foco, nós revelamos ontem a última surpresa do mês e agora está completo! Cheio de dicas e coisas legais para conferir

Calendário de NatalFaltou Foco 2017

Com a chegada do Natal, para muitos é hora de reunir a família em torno da mesa, para outros significa uma noite tranquila, ou pode ser uma noite de contemplação e reflexão, ainda há aqueles que receberam muitos presentes outros que não receberam nenhum. Não importa como você vai passar essa data, nós aqui do Faltou Foco desejamos que seja ótimo e que você se sinta feliz da forma que for a melhor, que o fim do ano e seu encerramento de um ciclo possa trazer paz, reflexão, planejamentos e mais importante (talvez a palavra mais necessária para os tempos atuais) esperança, que ela possa renascer em todos nós

🌟 E seja como for, UM FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO  🌟

###

Porém, agora é hora de uma pausa, é hora de rever nossas idéias, descansar o cérebro e principalmente, pensar em muitas e muitas novidades para 2018. Pensamos em reinvenção e renovação, assim como desejamos a quem nos acompanha, por isso tem muita coisa boa vindo por aí.


Foto: David Lezcano

Um novo ciclo pede que o blog também se repense e reacenda velhas idéias, traga novas, quem sabe o que pode acontecer, e só ficando por aqui vocês poderão descobrir 🙂

Nos vemos logo logo assim que 2018 chegar!

Enquanto isso que tal rever nossa programação durante o ano:

E, por fim, nos prometemos não sumir, ainda tem coisas acontecendo la na nossa página FALTOUFOCO

Até logo e um abraço,

do Gusta

Vista seu smoking, escolha seu vestido, ou vista o que quiser. Essa é uma ocasião de muito estilo, as variedades são aceitas. Vamos relembrar os filmes que marcaram o ano em nossos desafios cinematográficos.

Como eu já havia dito no post anterior, desde que começamos com essa ideia de desafio, temos tido ótimas surpresas, temos aprendido muito, experimentado muito, nos tornamos até um pouco mais cautelosos antes de fazer qualquer julgamento, dentro e fora das telas.

Colecionamos muitas risadas, levamos muitos sustos, sentimos tensão e desespero, choramos quando não esperávamos chorar.

Por isso nada mais justo que fazer uma menção honrosa a todos esses filmes que deixaram algum tipo de marca especial em nós nesse ano.

Eu irei eleger aqui os filmes que mais me agradaram durante o ano — lembrando que é um melhores do ano para o desafio, ou seja o que assisti esse ano para o jogo, e não de estreias de filmes deste ano — e convido você que também completou a sua lista com 52 itens, a fazer o mesmo, e claro, compartilhar com a gente.

 

⭐Movie Challenge Awards Faltou Foco 2017 ⭐

Filme com a melhor mensagem

Titulo: The mask you live in (Jennifer Siebel Newsom, 2015)
Categoria: Um documentário

Esse  documentário foi um dos primeiros itens assistidos por mim esse ano, no entanto até hoje me lembro de sua mensagem. Ele consegue criar um mapa que liga o comportamento mais fechado de muitos homens, com a pressão imposta muitas vezes pelos próprios pais para que hajam como “verdadeiros homens”.

Coisas como não falar abertamente sobre seus sentimentos,não  admitir que precisa de ajuda, e não chorar — algo tão natural — que com o tempo acumulados causam tristes efeitos em suas maneiras de se relacionar com as outras pessoas.

Concorrente: Okja (2017)

Enredo inovador

Titulo: A viagem (Tom Tykwer; Lana Wachowski e Lilly Wachowski, 2012)
Categoria: Um filme que se passa em diferentes épocas

Acreditem ou não, mas eu nunca tinha visto nada ao nível desse filme, tanto por suas historias fantásticas que são carregadas, tanto pela interação entre elas. Apesar de ser um filme longo, que exige paciência e muita atenção,  A viagem ficará marcada como um filme que marcou meu desafio desse ano.

O mais memorável

Titulo: Lion: Uma jornada para casa (Garth Davis, 2016)
Categoria: Indicado ao Globo de Ouro

Minha vontade após terminar de assistir Lion, era simplesmente rever o filme, ou rever na mesma semana, o que eu não vi, faz que provavelmente farei nos próximos dias.

Não esperava me apegar tanto com a jornada da sua infância, que rendeu em minha opinião as cenas melhores cenas do filme. E por se tratar de uma historia real, o coração fica um pouco mais apertado.

Concorrentes: Na Natureza Selvagem (2007), Mandela: Longo Caminho para Liberdade (2013)

Melhor Plot Twist

Titulo: Um Contratempo (Oriol Paulo, 2016)
Categoria: Um filme de detetive

Whaaat’s?? Como assim? Eu realmente não esperava por isso! Que filme louco! Agora tudo faz sentido. Esse momento foi épico, estou apaixonado por esses atores, preciso rever – Resume.

Concorrente: Die Welle: A Onda (2008), Ex_Machina (2015)

Melhor protagonista

Titulo: Okja (Joon-Ho Bong, 2017)
Categoria: Exibido no Festival de Cannes

É fato que o filme possui no mínimo 3 importantes protagonistas, mas o papel de Seo-Hyun Ahn como Mija, foi certamente o mais especial.  A garotinha que vivia isolada em uma fazenda no alto de uma montanha na Coreia do Sul, que lutou pela sobrevivência de sua melhor amiga, que fez aliados, que deu seus próprios passos e se pôs na frente de um grande confronto, e que mesmo sabendo que não poderia salvar o mundo, fez o melhor que podia.

Interpretação memorável

Titulo: Na natureza Selvagem (Sean Penn, 2007)
Categoria: Um filme baseado em uma história real

Não sei nem muito o que falar, assistam.

Concorrente: A viagem (2012), Um Contratempo (2016), A Boa Mentira (2014)

Melhor diversidade de atores em cena

Titulo: A viagem (Tom Tykwer; Lana Wachowski e Lilly Wachowski, 2012)
Categoria: Um filme que se passa em diferentes épocas

Mais uma vez (HAHA), como eu já disse, não só o elenco bem diversificado, até mesmo para manter uma ligação com as historias, como toda a caracterização desse filme são ótimos.

Concorrente: A Cabana (2017), A Boa Mentira (2014)

Filme com a melhor trilha Sonora

Titulo: La la Land: Cantando Estações (Damien Chazelle, 2016)
Categoria: Um musical contemporâneo

Fazia muito tempo que eu não me empolgava com um musical, e isso aconteceu com La La Land. Talvez pelas inúmeras referencias aos clássicos, talvez pela leveza com a qual o filme é conduzido. Mas principalmente por suas canções.

Concorrentes: Beyond The Lights: Nos Bastidores da Fama (2014), The Rocky Horror Picture Show (1975), Singin’ in the Rain (1952)

Melhor retrato cultural

Titulo: Tempestade de Areia (Elite Zexer, 2016)
Categoria: Uma produção do Oriente Médio

Tempestade de Areia traz para a luz uma realidade cultural muito distante da qual conhecemos aqui, ou se quer entendemos bem. É um filme que tem muito a apresentar.

Concorrentes:  A Boa Mentira (2014), Lion: Uma jornada para casa (2016), Mandela: Longo Caminho para Liberdade (2013), O túmulo dos vagalumes (1988), Boy (2010), Medianeras (2011)

Melhor filme nacional

Titulo: Saneamento básico (Jorge Furtado, 2007)
Categoria: Um filme com personagens criando um filme secundário

Eu ri.

Concorrente: Colegas (2012)

Melhores efeitos visuais

Titulo: Valerian e a Cidade dos Mil Planetas (Luc Besson, 2017)
Categoria: Um filme com cenas que retratam outro(s) planeta(s)

Ainda estou impactado pela construção desse universo tão louco, e seus habitantes graciosos e peculiares.

Melhor filme lançado antes de dos anos 2000

Titulo: Cantando na Chuva (Stanley Donnen e Gene Kelly, 1952)
Categoria: Um filme sobre a historia do cinema

 I’m singing in the rain, just singin’ in the rain. What a glorious feeling, I’m happy again.

concorrente: The Rocky Horror Picture Show (1975), O túmulo dos vagalumes (1988)

 

Esse é o ultimo post de nosso calendário especial para dezembro.

Um abraço,
e até mais