Anualmente marcando o fim do verão no Brasil é impossível não falar de Carnaval. A festa, que mais tem temperos brasileiros, por sua empolgação, sua animação e sua diversidade, que neste ano ocorre nos últimos dias de fevereiro. Dos 25 a 28, o brasileiro irá se soltar e curtir a que é conhecida como a festa mais democrática do país.                        

Pensando nisso, e naqueles despreparados de última hora, nós fizemos um guia rápida para você se situar no carnaval de São Paulo. É importante notar o foco em São Paulo justamente pelo caráter diverso da festa, cada cantinho do país tem sua forma de comemorar a data.

Sem dúvida a popularidade dos blocos carnavalescos de rua tem crescido muito nos últimos anos, e as cidades cada vez mais se vêem ocupadas por foliões. Em São Paulo,  por exemplo, já aconteceram muitos dos chamados blocos de pré carnaval e ainda haverão muitos no pós folia, a cidade soma mais de 400 blocos de rua. Desta forma, a festa só se encerra no começo de março.

6 BLOCOS PARA SE JOGAR NO CARNAVAL

É uma boa dica pesquisar os mais variados eventos no Facebook e aplicativos como o “Carnaval de Rua de sp” ajudam muito na hora de se organizar para pular Carnaval na rua, eles contam como uma extensa lista de todos os blocos.

Damos destaque para alguns que mais chamaram nossa atenção, como o “Tô de bowieque surgiu por uma homenagem ao cantor inglês David Bowie falecido há alguns anos, além das marchinhas, muitos clássicos do cantor embalam a galera, o bloco desfila nesta terça feira (28).

Ainda outros como o bloco “Domingo ela não vaique trouxe muito Axé para o carnaval de São Paulo, o “bloco dos surdos e mudospromovendo a inclusão e tantos outros.

Bloco Ritaleena” homenageia Rita Lee,  cantora brasileira responsável por rocks da pesada e que marcou uma geração. O bloco sai na vila mariana um dos mais tradicionais bairros paulistanos .

O mirante 9 de julho já oferece aos turistas e aos paulistanos uma visão belíssima da cidade, e fica logo ali na Paulista, juntando isso com a música latina do bloco “Carnaval Latino no Mirante“, que promete embalar a segunda feira, é uma ótima alternativa para fugir das marchinhas de carnaval apreciando a bela vista da cidade.

Música eletrônica não é conhecida por ser associada ao carnaval, porém o bloco “SP Beats” foi criado justamente para mudar isso. Contando com uma lista de djs no bloco, é uma ótima opção para os que não gostam de marchinhas ou samba. O bloco passa pela região da República na terça feira.

Por serem abertos a todos, é sempre bom tomar algumas precauções por segurança quando for curtir os bloquinhos: tomar cuidado (ou evitar levar celulares), dinheiro, não aceitar bebidas de estranhos, entre outras coisas que se são dicas velhas continuam muito importantes de serem relembradas. Confira mais informações e a lista de atrações nos links de cada evento.

Abraços! E bom Carnaval.

Dicas para quem quer fugir do Carnaval

O carnaval brasileiro é conhecido mundialmente como o maior manifesto cultural do nosso país. Mas o fato de você ser brasileiro não o torna obrigatoriamente um folião. Muitos se sentem melhor longe da muvuca e do som alto, ou então acompanhar tudo de uma forma mais discreta.

O carnaval começa oficialmente hoje (sábado), e termina na quarta feira (de cinzas), porém em muitos lugares os chamados aquecimentos estão rolando desde o final de semana passada.

Este post foi feito pra quem não está tão afim de embarcar na folia, mesmo assim as dicas daqui valem para todos.

 FAÇA UMA MARATONA DE SÉRIES

Caso você seja um assinante Netflix, HBO streaming ou Amazon Prime certamente possuí um leque de seriados a serem assistidas. Uma maratona de séries pode ser uma boa ideia para quem quer ficar em dia com todas elas, ou até mesmo conhecer ou iniciar algo novo. Muitas produções ainda estão na primeira temporada, o que deixará sua atualização sobre os fatos ainda mais fácil. Algumas sugestões são:

Netflix:

Desventuras em Série

A maior obra de Lemony Snicket ganhou adaptação para a netflix no começo do mês, e tem agrado a muitas pessoas. A primeira temporada conta com 8 episódios e apresenta Neil Patrick Harris no papel do  desprezível Conde Olaf. Se você ainda não assistiu, essa é a oportunidade. Saiba mais aqui.

The OA

The Oa é uma série carregada de mistérios do começo ao fim. Sua primeira temporada conta com 8 episódios em uma narrativa densa e poética que oscila entre a ficção cientifica e o lado espiritual. Tudo isso saiu da mente de Brit Marling e Zal Batmanglij, conhecidos por explorarem esses temas.

3%

A primeira série distópica brasileira da netflix dividiu opiniões, mas algo é certo, o universo de 3% é bem mais complexo do que aparenta ser. A primeira temporada conta com 8 episódios, e fiquem atentos porque a continuação já foi confirmada.  Saiba mais sobre a série.

HBO:

Westworld

Westworld apresenta um parque temático futurístico ambientado no velho oeste. Nele pessoas ricas  de todos os lugares podem desfrutar da liberdade cruel sem sofrer qualquer consequência, atacando robôs e maquinas que representam o mundo real. Porém uma falha no sistema desencadeia uma grande catástrofe.  Sua primeira temporada conta com 10 episódios.

VÁ AO CINEMA

A maioria dos cinemas estará em funcionamento normal, inclusive aquele que são vinculados a shopping centers. Assistir a um bom filme é sempre ótimo, independente de onde você esteja. No entanto, você não é obrigado a trancar-se em casa para não participar dos movimentos.

E acredite, existem grandes filmes em cartaz no momento, inclusive alguns indicados ao Oscar. Olha só:

Até o Ultimo Homem

Lion: Uma Jornada para Casa

La La Land: Cantando Estações

Moana: Um Mar de Aventuras

Moonlight: Sob a Luz do Luar

Manchester À Beira Mar

Internet O filme

A Cura

Beleza Oculta

EXPLORE A CIDADE

Os blocos e movimentos costumam acontecer em lugares específicos e pré-programados, enquanto isso o resto da cidade ainda se mantém em um movimento com sua típica rotina. O que acaba sendo bom, já que alguns lugares passam por uma redução no fluxo de pessoas. Aqui vão umas dicas de como fazer isso:

Baixe aplicativos e se informe sobre os blocos de rua: Esses aplicativos são úteis para os foliões, mas também servem como ótimos guias para quem busca evitar estar em um lugar X na hora Y. Em algumas cidades as próprias prefeituras têm tomado a iniciativa de informar a população por meio de plataformas de comunicação. Informe-se sobre sua região.

 Busque por bares ou áreas de convívio publico: Muitas pessoas não fazem ideia do numero de espaços públicos calmos e atrativos em suas cidades. Seja um explorador e conheça novos cafés, restaurantes e parques.

Caso você esteja por São Paulo de uma olhada neste post que montamos semanas atrás, com dicas de espaços para conhecer e se apaixonar.

 

LEIA UM LIVRO

A leitura também pode ser uma porta de escape ideal. E se você está buscando aproveitar esses dias em casa para desacelerar, refletir ou relaxar, livros curtos ou de rápida leitura podem ser de grande ajuda. Então corre para uma livraria, que ainda da tempo. Algumas sugestões são:

Nimona

Nimona é uma HQ para ser lida em um dia. Divertida, inovadora e sarcástica, ela traz uma protagonista que não tem o menor interesse em seguir as regras além de uma historia de amor e lealdade. Tem resenha aqui no blog.

Juntando os Pedaços

A escrita de Jennifer Niven é fluida, simples e repleta de belos momentos. Se você ainda não conhece seu trabalho sugiro que comece por lugares incríveis. Juntando os Pedaços traz diversas mensagens sobre aceitação, autoestima, resiliência e amizade. Para saber mais leia minha resenha aqui.

Aconteceu naquele Verão

Apesar de ser um livro que eu ainda não li, acredito que ele traga um clima que tem tudo a ver com a situação. Ele reúne 12 contos escritos por diferentes autores do “jovem-adulto-contemporâneo” como Veronica Roth, Cassandra Clare, Tim Federle entre outros. Essa união se deu graças a iniciativa de Stephanie Perkins, que tempos atrás criou outra antologia com temas natalinos.  Saiba mais.

Espero que essas dicas ajudem vocês que estão em busca de uma programação alternativa para os feriados de carnaval. Mas não deixe de se divertir com responsabilidade e respirar ar fresco por conta disse. okay?

Abraços e até mais!

 

Resenha: Star Wars – Lordes dos Sith

Star Wars – Lordes dos Sith, escrito por Paul S. Kemp foi lançado nos Estados Unidos em 2015 e trazido para o Brasil em 2016 pela editora Aleph, a história tem 346 páginas e 18 capítulos bem distribuídos, com bastante referências a série animada The Clone Wars e ao terceiro filme da saga, A Vingança dos Sith.

O livro faz parte do novo cânone proposto pela Disney após o reboot em 2014, e a história se passa 8 anos após a republica cair e o império galáctico dominar a galáxia, tudo se desenvolve em volta do Planeta Ryloth, planeta da raça Twi’lek, onde o movimento Ryloth livre luta para libertar-lo do comando do Império, comandado por Cham Syndulla, que sempre entoa que o movimento é libertário e não terrorismo, e por sua braço direito Isval, ex escrava com sede de vingança insaciável, tentam minar as forças do império com ajuda de Belkor Dray, coronel do império galáctico que comanda todas as forças do império no planeta estando abaixo apenas da Moff Delian Mors. Cham sempre muito bem informado descobre que a perigo, destróier estelar, está vindo ao planeta e arma um plano para destruir a mesma.

Com o progredir da história vemos mais de perto a relação entre mestre sith e aprendiz, de Darth Sidious e Darth Vader, que se mostra ser instável e intensa. O autor mostra os conflitos pessoais que Vader tem com seu passado e como luta para se desvencilhar deles ao mesmo tempo que nutre seu poder com a raiva e dor que tem ao se lembrar do que deixou para trás. Ao mesmo tempo que mostra o quão ardiloso pode ser o Imperador e mestre, sempre testando seu novo pupilo a ponto de saber o que Vader está pensando.

Os capítulos vão alternando entre os passos do movimento libertário e os do império em resposta, o que torna a história interessante e envolvente, de leitura fácil de ser digerida e absorvida você se vê dentro dos conflitos e fica difícil parar de ler, sempre com muito suspense e ação.

É um ótimo livro pra quem é fã e conhece a série animada, pois apresenta nos flashes de memória de Vader personagens apresentados na série, e mesmo pra quem não conhece a animação não sai perdendo ao ler, porque demonstra de uma forma mais aprofundada a transição do cavaleiro Jedi Anakin Skywalker até o aprendiz do lado negro da força Darth Vader, é um livro pra quem gosta de Star Wars.

Star Wars – Lordes dos Sith,
de Paul S. Kemp, 2016.
Contém 352 paginas.
Publicado no Brasil pela Editora Aleph.

Semana passada nosso prodígio dos movimentos culturais – Gustavo – lançou por aqui um desafio envolvendo a literatura clássica. O projeto se assemelha ao nosso desafio cinematográfico, no entanto não é tão extenso.

Confesso que não sou tão aberto aos clássicos da mesma forma como o Gustavo é, mesmo assim eu achei essa proposta de ler um clássico por mês uma ideia sensacional. Como o próprio Gusta (porque eu o chamo assim) me disse durante uma conversa: Ler esses livros acabam nos ajudando a entender a influencia que tiveram sob a literatura moderna e refletir sobre a visão que os autores tinham da sociedade antigamente.

Irei citar os livros que “eu” escolhi para cumprir os desafios, mas você pode saber mais sobre a lista e a proposta clicando aqui. Além disso, em breve o Gusta trará uma resenha sobre o seu primeiro livro escolhido.

*As minhas escolhas para capa/editora basearam-se em uma pesquisa e alguns conhecimentos sobre a proximidade com a obra original, material de apoio e popularidade.*

  • Um clássico da literatura brasileira: Dom Casmurro. Machado de Assis, 1899 –

Sim! É um livro bem popular e conhecido dentro da literatura clássica brasileira. Lembro-me de ter ganho uma edição no ensino médio, mas não sei se a li.
O livro é narrado por Bento, e suas memórias da juventude. Amargurado e crente de que seu filho com Capitú na verdade é fruto de uma traição com seu melhor amigo, o velho e solitário – agora Dom Casmurro – busca respostas em suas lembranças.

  • Um clássico da ficção científica: Planeta dos Macacos. Pierre Boulle, 1963 –

A história deste livro se distancia da atual franquia conhecida, no entanto já ganhou uma adaptação mais fiel em 1968.
A Obra apresentará Ulysse um jornalista que parte com uma tripulação de cientistas para a descoberta de novos planetas. Em sua busca, eles pousam em um local semelhante a Terra, encantador porém ríspido. Neste planeta os macacos exercem agem como seres humanos, e os homens são como animais de baixo intelecto, usados como, cobaias, transportadores e animais de estimação.

  • Uma antologia de contos: Eu, Robo. Isaac Asimov, 1950 – 

Também como um clássico de ficção cientifica. O livro é reúne nove contos que relatam a evolução dos autômatos através do tempo. Sob o comprometimento às três leis da robótica, Isaac Asimov leva o leitor a refletir sobre diferentes assuntos.

  • Um clássico da literatura de horror: Frankenstein. Mary Shelley, 1818 –

A figura icônica dos clássicos de horror, a relação entre criador e criatura entre outros assuntos são levantados nessa história que até hoje vem tendo uma repercussão mundial.
Inclusive, já rolou matéria sobre a obra aqui no blog, escrita pelo Gustavo.

  • Um clássico sobre uma figura feminina: Anna Katerinina. Liev Tolstói, 1877 –

Considerado o maior romance já escrito, Anna Keterinina se destaca pela aproximação com a vida levada pelas de diferentes posições sociais da época, além da complexidade em montagem de parentescos.
A historia relata os caminhos levados Liévin – um proprietário de terras – e Anna, uma aristocrata casada, que se cruzam apenas vez em toda em meio a longa narrativa.

  • Um clássico sobre traição: Madame Bovary. Gustave Flaubert, 1857 –

A obra retrata a vida de uma mulher com anseios de uma vida diferente da qual leva ao lado de seu marido, um homem de personalidade fraca, em uma cidade do interior.
Em sua época de publicação o livro chegou a gerar revolta e incomodo da sociedade.

  • Uma distopia clássica: 1984. George Orwell, 1949 – 

A história se passa em uma sociedade aprisionada e controlada pelo Estado, onde seus habitantes são obrigados a agir de forma coletiva ao mesmo tempo em que se encontram sozinhos. E onde ninguém escapa da vigilância do Grande Irmão.
1984 foi o ultimo livro escrito por George Orwell, e é até hoje é vista como a obra fundamental para o gênero distópico.

  • Um clássico sobre aventuras: Viagem ao Centro da Terra. Júlio Verne, 1864 –

Otto Lidenbrock é um renomado professor, geólogo e mineralogista, que decide partir em uma jornada ao centro da terra após encontrar uma mensagem cifrada descrevendo tal local com detalhes. Junto de seu sobrinho Axel e o guia impassível Hans, Otto parte rumo ao desconhecido afim de comprovar suas teorias sobre a vida terrestre.
Meu primeiro contato com uma obra de Verne foi através do livro 20 mil léguas submarinas, que me prendeu do começo ao fim, já faz algum tempo que estou interessado em ler algo mais do autor.

  • Uma peça clássica: Hamet. William Shakespeare, 1603 – 

Guiado por seu falecido pai, Hamlet parte em busca da vingança em seu nome e uma jornada de autoconhecimento. -“Ser ou não ser, eis a questão”- Hamlet é uma das mais conhecidas peças escritas por Shakespeare.

  • Coletânea de poemas: Sapato Florido. Mario Quintana, 1948 – 

O livro traz uma coletânea de poemas em forma de prosa onde Quintana extrai valores e questionamentos sob a perspectiva de situações banais e cotidianas. É umas das principais coletanas indicadas para quem quer conhecer mais sobre o poeta.

  • Um clássico que gerou polemica na época: O Retrato de Dorian Gray. Oscar Wilde, 1890 –

O Livro propõe uma reflexão sobre o valor da beleza externa e os valores internos. Dorian é um personagem que entrega sua alma a um quadro em troca de sua beleza eterna. Porém a pintura passa a sofrer deterioração no passo em que Dorian toma atitudes questionáveis.
Essa obra acabou resultando na prisão do próprio autor, acusado por atentado ao pudor. Em uma época onde a homoafetividade  era vista como crime, Oscar Wilde foi  condenado pela visão de seus personagens, tendo os trechos de seu livro sendo usados contra ele em julgamento. Ainda hoje, existem diversas versões com censura.

E essas foram as minhas escolhas para o desafio, talvez eu não consiga ler todos os títulos, mesmo estou empenhado em ir atrás de alguns. Também espero que essa lista tenha ajudado vocês a se inspirarem, e tomarem coragem para conhecer mais sobre os clássicos e encarar o desafio.

Me conta, tem algum desses livros que você quer ler, ou já leu?

Abraços! E até mais.

É inevitável não fazer qualquer tipo de especulação sobre os possíveis vencedores das grandes premiações.

A essa altura, você provavelmente já está sabendo quem ganhou o não nas principais categorias. Mas algo que vocês ainda não sabem é: Quais foram as nossas apostas e expectativas para o Grammy 2017?

O Grammy abrange um alto número de categorias dentro do meio musical – o que acaba se tornando também uma porta de entrada para o destaque de diferentes artistas – , não é atoa ser considerada a maior premiação deste tipo na América. Por conta disso separei apenas alguns dos vencedores deste ano, e irei confessar quais eram nossas apostas para essas categorias. Confira:









Adele foi o grande nome da noite mais uma vez, conseguindo a vitória em todas as categorias em que foi indicada. E confesso que isso de certa forma me surpreendeu. 25 é um álbum incrível disso eu não tenho duvida ( se tivesse nem ouviria o tanto que ouço), porém eu senti que ele acabou ficando mais distante da mídia em comparação ao 21 onde basicamente todas as musicas eram conhecidas e tocadas.

Eu realmente enxerguei a Beyoncé como uma forte concorrente para as categorias das quais ela dividiu com Adele. Seu trabalho vocal e visual em lemonade é forte e inovador. Adele soube reconhecer isso e gentilmente elogia-la no palco durante a entrega dos principais temas – inclusive ela chegou a quebrar a estatueta, dividido parta do troféu com a Beyoncé -. Seja como for, fiquei imensamente feliz por suas vitórias mesmo estando inseguro em minhas apostas.

ALGUNS OUTROS VENCEDORES DA NOITE

MELHOR CANÇÃO DE ROCK
Blackstar – David Bowie.  

MELHOR PERFORMANCE DE ROCK
Blackstar – David Bowie.

MELHOR TILHA SONORA PARA MÍDIA VISUAL
Star Wars: O Despertar da força.    

 MELHOR VÍDEO MUSICAL LONGO
Eight days a week – the touring years
The beatles.

MELHOR ÁLBUM DANCE/ELETRÔNICA
Skin – Flume.  

MELHOR CANSÃO DE RAP
Hotline Bling – Drake.

MELHOR CANÇÃO COMPOSTA P/MÍDIA VISUAL:
Cant’ Stop The Feeling – Justin Timberlake.

MELHOR PERFORMACE R&B
Cranes in the Sky – Solange. 

MELHOR ÁLBUM POP LATINO
Un Besito Más – Jesse & Joy

  Vocês podem ter acesso a lista completa de vencedores clicando aqui. E se quiser, aproveita para compartilhar com gente o que achou da premiação! Ah, aproveita pra conferir aqui quais foram minhas impressões sobre o evento em geral.
Abraços! E até mais.