Arte, Cultura & Design

OI Internet ūüôā

Acho que voc√™s sabem que h√° um tempo eu ando tentando trazer a proposta do Rol√™ Cult pro blog. A minha id√©ia √© simples: Visitar um lugar diferente, um lugar cultural, fazer uma nova atividade, qualquer coisa e depois vir aqui contar minha experi√™ncia e compartilhar com quem quiser. O meu desejo seria que isso animasse voc√™s a tamb√©m experimentarem novas coisas, lugares, id√©ias, etc.. e espero que isso tenha acontecido ao longo desse √ļltimo ano.

MAS, no ano de 2018 eu vou mudar as regras!!

Eu quero manter a proposta de sempre. Ainda vou continuar buscando contar tudo sobre cultura para vocês mas agora vou me desafiar e quem sabe vocês também não façam o mesmo!

Meio inspirado pelo #desafiocinematográfico, serão 18 roles ao longo do ano de 2018 e cada um com uma proposta diferente, mas eu prometo sempre mostrar tudo que for possível aqui com exclusividade.

Eai? Voc√™s encaram o desafio? ¬†Quem sabe a gente n√£o se v√™ por a√≠ em um role cult ūüėČ

Segue abaixo os itens pra vocês imprimirem, compartilharem e também desafiar os amigos. Por fim estou colocando a tag #rolecult assim temos um lugar para conversar.

Sem mais delongas eu apresento… RUFEM OS TAMBORES…..

Assim como fizemos para o desafio de 52 filmes, criamos um planner, onde você irá poder fazer se organizar, e terá um espaço dedicado para anotar suas experiências mais marcantes.

Download disponível por aqui.

Eai? Gostaram do dia 13 ser um desafio? Que tal levar um pouquinho de cultura e diversidade ao longo do ano? Topa? Ficou alguma sugestão para o rolê cult que você gostaria de ver aqui? Não perde tempo e conta pra gente!!

Compartilhe o desafio! Corra atrás de novas experiências!

Quando soubemos da data e hora da revelação da cor para 2018, já reservamos um espaço em nosso calendário para divulgar essa informação.

Se você não está entendo nada, calma, que eu já explico.

A Pantone é conhecida mundialmente como principal fonte de tendências para o design, moda e outros setores que envolvam cores. Aconselhando empresas sobre como desenvolver uma identidade de marca e produtos. Também é conhecida por explorar minuciosamente os tons dentro da enorme gama de cores existentes.

Sua influencia √© t√£o grande que de fato as cores ditadas em suas paletas anuais¬†‚ÄĒ al√©m da cor principal¬†‚ÄĒ s√£o adotadas pela moda e pela m√≠dia de maneira natural e “discreta”.

Foto: Seleção Pantone dos anos anteriores

Basta se perguntar quantas vezes esse ano você se deparou admirando ou encarando algo verde. Ou qualquer outra cor dentro da paleta de 2017.

Mas Por quê o Ultra-Violeta?


A Pantone nunca faz suas escolhas baseadas no nada. No caso de 2017, o verde Greenery vinha com um apelo à reconexão com a natureza e esse lado mais natural do planeta.

Desta vez, segunda a industria, o violeta inspira-se no espaço, no cosmo, na espiritualidade e no futuro. Segundo eles, a cor também teria uma ligação especial com a expressão da essência de cada individuo.

Os roxos enigm√°ticos tamb√©m t√™m sido simb√≥licos da contracultura, da n√£o convencionalidade e do brilho art√≠stico. √ćcones musicais Prince, David Bowie e Jimi Hendrix trouxeram tons de Ultra Violet √† vanguarda da cultura pop ocidental como express√Ķes pessoais de individualidade.

(Fonte: Pantone)

T√°… Mas o que¬†eu tenho a ver com isso? ‚ÄĒ Voc√™ deve estar se perguntando.

Bom isso ir√° depender muito da sua posi√ß√£o no mercado de trabalho. Se voc√™ desenvolve projetos gr√°ficos,¬†t√™xtil, decorativos, ou desempenha algo influenciado por tend√™ncias; Ter esses conhecimentos pode lhe ajudar muito nas suas pr√≥ximas produ√ß√Ķes, pois ser√° algo bem presente por a√≠.

Não deixe de contar para nós o que você acha sobre tudo isso. E se gostou da cor e da mensagem que ela traz.

Abraços! E até mais.

Hey!

O brasileiro Butcher Billy, que j√° apareceu por aqui uma vez com suas ilustra√ß√Ķes dos epis√≥dios de Black Mirror em forma de antigas revistas em quadrinhos, soube enxergar um potencial sombrio em m√ļsicas dos anos 70, 80 e algumas atuais. Acrescentando uma dose de inspira√ß√£o nas hist√≥rias escritas por Stephen King, Billy criou capas de livros e fitas VHS de terror.

Por√©m, a rela√ß√£o entre as musicas e as obras de¬†Stephen King n√£o √© algo novo, visto que muitas bandas j√° se inspiraram em seus contos e livros para composi√ß√Ķes. Um grande exemplo √© “Pet Sematary” dos Ramones, tamb√©m ilustrada pelo designer, a qual o pr√≥prio escritor teria indicado para trilhar sonora da adapta√ß√£o cinematogr√°fica de mesmo da obra, por ser grande admirador da banda.

Em vista disso, o resultado obviamente não poderia ser outro. Butcher Billy ainda acrescenta em seus trabalhos aspectos de desgastes, que faz com que tudo fique ainda mais fascinante.

Confira alguns de seus trabalhos e as m√ļsicas nas quais foram inspiradas:

Infelizmente as faixas estão limitadas em 30 segundos, mas é possível ouvi-las em forma completa no site ou aplicativo do spotify.

Você encontrará estas e outras obras do ilustrador em sua galeria  no Behance. Aproveita e depois conta pra gente o que achou dessa mistura sombria.

Abraços, e até mais!

Oi internet tudo bem?

Antes de tudo, lembrem- se disso. Ser√° importante em breve…

Disparate: (subst. masc) 1. dito ou ação ilógica, absurda ou fora da realidade; contrassenso, desconchavo, despautério. 2. tolice, asneira.

J√° que o tema do m√™s s√£o hist√≥rias de terror, nenhuma delas √© pior que as hist√≥rias reais. Ainda mais quando pintadas pelas m√£os do espanhol Francisco Goya. Est√° em cartaz no Caixa Cultural de S√£o Paulo (e eu fui l√° ver ) a exposi√ß√£o “Loucuras anunciadas” que √© composta de uma s√©rie das √ļltimas gravuras feitas pelo pintor espanhol por volta de 1832. Goya na s√©rie dos disparates (ou loucuras, ou follies) assume a t√©cnica das “gravuras negras” compondo suas obras essencialmente pela contraposi√ß√£o do branco e do preto. Desta forma, ele cria uma atmosfera macabra e sombria onde habitam figuras monstruosas e verdadeiras encarna√ß√Ķes de pesadelos.

Em essência, através destas figuras, Goya anuncia sua loucura ao mundo são. Os monstros que ora aparecem oníricos, tem sua faceta na realidade. A estranha figura de duas faces é uma alegoria aos traiçoeiros e infiéis do tempo que o autor viveu. Ironicamente, ninguém cortou tão profundo no século XIX (o chamado século das luzes) que Francisco Goya com suas loucuras encarnadas no papel.

Nos informa a curadoria, que as figuras contam uma hist√≥ria, dos homens ensacados √° figuras com apar√™ncia grotesca ou enorme e por fim o voo de bal√£o rumo aos c√©us claros que encerra a cole√ß√£o. Goya faz desfilar suas loucuras ao fim de sua vida, inclusive colocando a si pr√≥prio e sua alma se tornando desencarnada em um dos quadros. Nada mais assustador que se ver encarnado em um mundo sombrio de ang√ļstias e disparates.

Inclusive, devemos aqui, caro leitor, pensar no uso da palavra disparate, que tanto reaparece e contextualiza esse mundo que se apresenta ensandecido:

‚ÄúDisparates √© uma s√©rie de loucuras anunciadas de dif√≠cil interpreta√ß√£o, vis√Ķes on√≠ricas, viol√™ncia, sexo e deboche das institui√ß√Ķes relacionadas com o regime absolutista, cr√≠tica aos costumes e ao clero, pontuados por alguns momentos de j√ļbilo. (…) Os disparates s√£o uma cr√īnica visual onde a emo√ß√£o se esparrama no tra√ßo pulsante e voluptuoso como uma hemorragia‚ÄĚ (Mariza Bertolli – Curadora)

Do resto, fora os arrepios e a faceta amedrontadora das imagens, que ficam expostas na primeira sala, a exposição conta ainda com outras duas. Nas duas salas seguintes o visitante é convidado a externalizar suas próprias loucuras (ou só curtir um momento para se fantasiar) através de máscaras, como aquelas populares de longos bicos, e sacos sendo possível mergulhar de cabeça naquela arte que se mostra tão assustadora porém tão necessária.

Por fim, j√° que se responder a quest√£o proposta pela curadoria “√Č poss√≠vel anunciar loucuras?”. A princ√≠pio f√°cil a quest√£o convida o espectador a pensar, quais loucuras? De quem? Anunci√°-las aos sete ventos? Ou somente para si mesmo? Tais quest√Ķes s√£o cruciais para compreender os disparates que desfilam por essa obra de Goya, que contam uma das mais macabras hist√≥rias, a hist√≥ria real da humanidade.

Goya √© uma forma perfeita de comemorar uma data t√£o trevosa, seu gosto pelo macabro surreal e obscuro n√£o √© sem prop√≥sito, por√©m vem acompanhado de pensamento e reflex√£o. E se voc√™s gostaram da obra exposta aqui, procurem tamb√©m outra s√©rie do mesmo autor chamada “Os Caprichos” (1799) ali os monstros que povoam a mente dele parecem vir ainda mais a tona.

Infelizmente, tamb√©m tenho que trazer m√°s not√≠cias, a exposi√ß√£o se encerra agora no dia 29/10 por√©m ainda d√° tempo de conferir “As Loucuras Anunciadas de Francisco Goya” se voc√™ gosta e puder dar um pulo l√°, eu recomendo, a exposi√ß√£o √© pequena e ir√° com certeza melhorar seu dia.

A exposi√ß√£o, como dito, est√° em cartaz at√© 29/10 na Caixa Cultural (Pra√ßa da S√©, 111 – S√©, S√£o Paulo – SP ), logo ali perto do metro S√©. A entrada √© livre, n√£o custa nada e √© para todos os p√ļblicos. Vale tamb√©m dar uma volta pelo pr√©dio hist√≥rico da ag√™ncia banc√°ria e pelas outras exposi√ß√Ķes que o pr√©dio abriga.

Agora uma pausa no clima de terror…

Oi internet, eu sou o gusta ūüôā

E esses dias eu fui assistir Les Miserables (em português, Os Miseráveis ou Les Mis, pros íntimos) o musical que é um verdadeiro gigante da Broadway estreou no Brasil em Março, logo ali no Teatro Renault em sp, mas só agora eu pude ir conferir.

Foto: Teatro Renault РGustavo Sivi

Para os que não conhecem, a história é baseada no livro de mesmo nome escrito por Victor Hugo em 1832, que é uma verdadeira obra fundamental da literatura européia (apesar do tamanho assustador). O musical carrega seu espectador, assim como Hugo no romance original, por um verdadeiro passeio dramático pela sociedade francesa do séc XIX.

A peça fundamental da história é Jean Valjean, um homem que decide mudar sua vida após ser liberto de 20 anos de serviços forçados, porém para isso ele tem de fugir da implacável justiça incorporada pelo Inspetor Javert. Sua história se entrelaça com a de Fantine, que é forçada a entregar a Valjean o direito de cuidar da sua filha pequena, Cosete que estava sob guarda do maldoso casal Thenardier. A história nos leva a 9 anos, a beira de uma nova revolta na França, onde todas essas histórias se entrelaçam e tem seu ápice quando essa Insurreição estoura na capital francesa. Quanto essa parte melhor não comentar muito pra evitar spoilers…

Foto: Teatro Renault РGustavo Sivi

Assim como grande parte dos brasileiros puderam conferir, eu conhecia o musical atrav√©s do filme de 2012 dirigido por Tobe Hooper. Que n√£o se cometam enganos aqui, o filme √© incr√≠vel e capaz de agenciar v√°rias t√©cnicas do cinema para contar essa hist√≥ria t√£o cercada de f√ļria e drama. Por√©m √© imposs√≠vel n√£o sentir arrepios quando, antes mesmo das cortinas subirem a orquestra executa os temas principais que nos acompanharam no desenrolar de tantas hist√≥rias no palco, √© imposs√≠vel n√£o se emocionar com algumas das mortes dif√≠ceis, seguidas de cenas de intensidade f√≠sica e alt√≠ssima qualidade musical. A sensa√ß√£o sem d√ļvida √© incompar√°vel.

Foto: Les Miserables РTeatro Renault РGustavo Sivi

No primeiro ato acompanhamos a hist√≥ria se armar, os diversos personagens tomam seus lugares e demonstram a que prop√≥sito est√£o ali. Destaco especialmente os antagonistas Valjean (Leo Wagner) e Javert (Nando Pradho) e seus respectivos int√©rpretes que interpretam e cantam com absoluta perfei√ß√£o (em especial, Nando Pradho,que domina cada nota e cada express√£o de do impass√≠vel Javert). O primeiro defende sua reden√ß√£o atrav√©s das boas a√ß√Ķes, mesmo que tenha fugido da r√≠gida lei do mundo, o segundo representa justamente a implacabilidade desta lei, e vai at√© o fim para se fazer cumpri-la.

Ao final deste ato, conhecemos tamb√©m os ‚ÄúAmigos do ABC‚ÄĚ o grupo respons√°vel pela organiza√ß√£o da Insurrei√ß√£o que √© liderado pelo obstinado Enjolras (Pedro Caetano) e ent√£o o musical entrega um dos seus momentos mais altos e sem d√ļvida um dos maiores cl√°ssicos da Broadway, ‚ÄúS√≥ mais um‚ÄĚ (One Day More)

Toda a tens√£o que esta incr√≠vel m√ļsica gera na mente do espectador √© carregado pelo segundo ato e os desfechos que ocorrem no palco, vemos os destinos dos personagens e a obra se mostra mais do que nunca um verdadeiro testemunho da sobreviv√™ncia humana. A pot√™ncia visual da pe√ßa somada a pot√™ncia das letras e m√ļsicas, uma orquestra√ß√£o capaz de deixar o espectador sempre angustiado, prendem por cada segundo, inclusive levando a fortes emo√ß√Ķes na plat√©ia, com suspiros de ang√ļstia garantidos. A √ļltima hora do musical parece se desenrolar em apenas 10 minutos, tal √© a capacidade da hist√≥ria. Quanto mais nos aproximamos do final, a m√ļsica mais e mais se mostra o meio perfeito para expressar o esp√≠rito de uma √©poca a sombra da Revolu√ß√£o Francesa quando as mis√©rias do homem ainda s√£o tantas e t√£o pungentes.

Esse ‚Äúmonstro‚ÄĚ absoluto da Broadway recebeu, nessa segunda produ√ß√£o brasileira, tratamento indefect√≠vel, capaz de emocionar at√© mesmo o mais duro dos cora√ß√Ķes. A complexidade da cenografia que se desenrola no palco e a maestria das interpreta√ß√Ķes (que em certos momentos dispensam todo e qualquer cen√°rio ou produ√ß√£o ao seu redor) em nada devem a vers√£o original e se tornam os ve√≠culos ideais para transmiss√£o da mensagem t√£o importante sa√≠da da pena de Victor Hugo para os palcos. Mais do que nunca precisamos dos ideais revolucion√°rios de Enjolras e seus ‚ÄúAmigos do ABC‚ÄĚ que buscavam nada al√©m de democracia e justi√ßa.

‚ÄúLes Miserables‚ÄĚ estreou no Brasil em Mar√ßo desse ano, e mesmo que j√° tenham havido todas as apresenta√ß√Ķes de imprensa, muito j√° tenha se falado e o musical j√° esteja entrando na sua reta final em rela√ß√£o as apresenta√ß√Ķes, se voc√™ puder ir, eu recomendo fortemente que n√£o perca essa oportunidade, afinal enquanto houver mis√©ria √© necess√°rio que falemos de ‚ÄúOs miser√°veis‚ÄĚ, como disse o pr√≥prio Victor Hugo.

¬† ¬† ¬† ¬†‚ÄúOs miser√°veis‚ÄĚ fica em cartaz at√© dezembro deste ano no Teatro Renault (Av. Brigadeiro Lu√≠s Ant√īnio, 411 – Rep√ļblica, S√£o Paulo – SP, 01317-000) com sess√Ķes √†s Quintas, Sextas, S√°bados e Domingos.

Mais informa√ß√Ķes : http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=LESMISERUB