Decoração

Inspirado pelo recém anúncio feito sobre a cor de 2017, resolvi criar esse post explorando um assunto que para muitas pessoas – até mesmo um pouco para mim – ainda é encarado com certo receio na decoração: O uso do verde dentro de casa.

E quando digo isso não estou me referindo às plantas – até porque amo encher a casa com elas -, mas sim o verde presente nas paredes, moveis e objetos de decoração.

 

Influência da cor

Você provavelmente já ouvir dizer que as cores exercem uma influência no humor ou comportamento das pessoas.

O verde está sempre ligado ao bem-estar e a energia, e também pode ser associado com pureza, equilíbrio e liberdade. Além de estar no grupo das cores que geram calma.

Porém, assim como tudo, deve ser evitado em excessos, já que certas variações de tom podem induzir a sensação enjoo ou o sentimento de opressão.

Como combinar?

É uma cor que se harmoniza muito bem com diversos tons de madeira – talvez até mesmo pela associação com a natureza – e outras cores claras como branco e bege. Mas que também pode funcionar bem com outras cores caso você saiba equilibrar.

Hoje em dia o mercado de tintas possuí uma vasta paleta de cores partindo do verde. Basta pesquisar um pouco e certamente encontrará um tom que irá lhe chamar a atenção.

Foto: Algumas cores disponíveis pela Coral.

Mas caso você esteja querendo trazer um pouco de vida para um ambiente porém considera pintar uma parede inteira algo arriscado, pode experimentar introduzir as cores aos poucos – por meio de moveis ou outros objetos – dessa forma irá criar pontos de destaques, que já serão o suficiente para mudar o clima do cômodo.

Eu ainda me sinto mais confortável com o verde escuro, mas algo me diz que um tom mais claro irá começar a surgir um pouco mais por aí. E você usa/ou já pensou em usar está cor na sua decoração? Me conte que eu vou amar saber.

Abraços, e até mais.

Aproveitando esse clima descontraído de Primavera/Verão revolvi pegar uma carona para falar de um estilo de decoração, que na minha opinião, combina bem com esses dias. Trata-se do estilo Boho.

Antes mesmo de se tornar um conceito de decoração este estilo já era bem conhecido no mundo da moda, onde apresentava características de combinações semelhantes.

Este arranjo também conhecido como Boho chic, hippie chic ou Bohemian, tem justamente raízes presas ao boêmio contemporâneo, e passa a ser influenciado pelo movimento hippie, vintage, country e folkUma bela mistura.

E é exatamente isso que define esta decoração, a maneira como tudo é mesclado e harmonizado dentro de um ambiente.

Características

Costuma ser sempre associada ao uso de estampas étnicas mescladas, peças folclóricas, rendas e artesanatos – é um estilo que lhe abre espaço para expor lembranças de viagens e culturas de diferentes locais.

A presença da madeira também costuma ser muito marcante, assim como o uso de plantas – O que deixa tudo mais leve.

 

Apesar de ser formada por esta reunião de cores e peças decorativas, este estilo respira e exala calmaria e liberdade. A dica certa para não errar e acabar cometendo excessos é buscar manter as paredes em cores bem claras, dessa forma as peças ganharão mais destaque colorindo o ambiente por conta própria.

A organização não segue um padrão propriamente dito, porém esta decoração não se exclui da regra de que tudo funciona melhor quando combinado ou interligado.

Sua base Boêmia cria um cenário convidativo para quem vive de arte e para quem a aprecia.

É algo descompromissado e acessível. Chega a ser até mesmo um estilo de vida, organizado por quem quer levar a vida de forma mais calma.

Este conceito já foi inclusive adaptado para decoração de festas, em especial de casamentos. Mas isso já é assunto para um outro post.

E você? O que achou? Me conta aqui nos comentários.

Abraços e até mais.

O planejamento da decoração pode vir a se tornar um desapontamento quando percebemos que todas as inspirações que coletamos talvez não se encaixem bem em um lugar pequeno. Mas calma, isso não te impede de criar um ambiente legal, mesmo nessas condições.

O segredo está em olhar além do espaço, aproveitando cada canto com sabedoria e sem limitar o a área de circulação.

E como este é um assunto que também me interessa, resolvi pesquisar algumas ideias que podem ser facilmente aplicadas, e que devem ser levadas em conta durante a criação de um ambiente. 😀

Salas

Sofás

Em geral, as salas costumam ser um lugar para reunir e também para relaxar, o que pode as vezes acabar não dando muito certo caso você ou as outras pessoas se sentam sufocadas pelos móveis.

Para lugares pequenos, móveis flexíveis são sempre bem-vindos, inclusive em acomodações. Por isso a escolha de um sofá modular pode vir bem a calhar, te permitindo organizar e delimitar melhor o espaço.

O sofá também pode ser outra peça coringa na acomodação. Por exemplo o sofá-cama que apresenta duas funções  e não ocupando  o mesmo espaço durante o dia.

Estantes ou Racks?

Isso irá depender do seu gosto, no entanto, racks costumam ocupar menos espaço, além de causarem a impressão de área aberta por deixarem as paredes a amostra, não limitando nosso campo de visão.

Cozinhas

Cozinhas Adequadas

A um tempo atrás eu fiz por aqui um post sobre 3 tipos de cozinhas e em que espaço cada uma pode ser melhor aproveitada.

Seu objetivo deve ser criar uma área funcional, que atenda suas necessidades e tenha também uma boa forma de armazenamento. E já que a cozinha costuma ser um lugar de muito movimento, espaço para se locomover é algo fundamental.

Leia o post aqui.

Área para Refeições

Em cozinhas pequenas que também funcionam como locais para refeição, por uma mesa no centro não é o mais recomendado, porém encontrar um canto para acomodá-la irá te garantir uma melhor circulação, além de te permitir usar bancos (estofados ou não) na medida certa, que poderão acomodar um numero maior de pessoas.

Moveis Flexíveis

Não se engane moveis dobráveis também podem dar um toque personalidade ao local. Usar esse tipo de cadeiras e mesas te proporcionará lugares vagos, já que elas podem ser montadas apenas em seu momento de uso, e depois facilmente desarmadas. Hoje em dia você pode  encontrar essas peças em diferentes materiais, cores e tamanhos, e também com outras funções como as mesas expansivas.

Quartos

Camas Baú

Em geral, os quartos costumam ser tomados pelos comprimentos das camas e dos armários, por isso assim como em todos os outros cômodos citados a cima, a funcionalidade é o ponto chave.

Apesar do nome, nem todas as camas Box apresentam um fundo falso para armazenamento. Alguns costumam chamar esses modelos de “Camas-Baú”, devido sua abertura.

Esse compartimento a mais é ótimo para reduzir o volume de coisas nos armários, ou então para guardar aquilo que é pouco usado.

O leque de variedades não se restringe a isso. Camas com gaveteiros, dobráveis, camufladas em armários, e como já citado “os sofás camas”, podem ser ótimas escolhas .

Armários ou Cômodas

Assim como os racks as cômodas irão ocupar menos espaço visualmente. Porém quando comparadas com os armários, elas perdem na capacidade armazenamento, caso você tenha muitas coisas para guardar.

Sobre os armários, optar por modelos com portas corrediças lhe ajudará a evitar o choque com objetos durante a abertura, o que algumas vezes pode inclusive atrapalhar em uma abertura completa.

Uma forma de evitar que os armários tomem muito espaço visual, e causem aquela sensação de dominância sobre o quarto, é manter o móvel em cores neutras ou que se harmonizam com ambiente. Além disso você pode optar por moveis planejados, ou usar as paredes como aliadas.

Dicas Gerais

Ambientes mais claros e bem iluminados ajudam a criar uma sensação de espaço e conforto. Mas isso não significa que você não possa utilizar cores marcantes, elas são bem vindas desde sejam equilibradas com o restante do local.

Tome cuidado para não acumular ou amontoar objetos, busque deixar tudo organizado e mantenha só o necessário, isso vale tanto para os móveis como para itens pessoais e peças de decoração.

Eu espero que este post tenha lhe ajudado de alguma forma! Curta a nossa Fan Page para ficar por dentro das novas postagens por aqui!

Aquele Abraço! E até mais.

 

Torna-se quase impossível falar sobre o inverno sem fazer referencias as formas encontradas para nos aquecer durante esse período. Dentro de casa as opções vão desde roupas grossas e cobertas, até comidas quentes ou aquecedores.

Uma forma de aquecimento domestico bem conhecida e utilizada já a quase mil anos é a lareira, que com o tempo ganhou novas versões, mais seguras, mais ecológicas, mais adaptáveis e visivelmente marcantes.

Lareiras Sustentáveis

As lareiras tradicionais costumam ter chaminés, um jeito encontrado para que o ar junto com a poluição da lenha circule para fora, em vez de impregnar toda a casa. Com um tempo isso mudou com a interferência de opções menos poluentes, abrindo caminho no mercado para modelos sustentados por gás ou álcool.

Estes tipo de lareiras não emitem fumaça, por conta disso o uso de chaminés é totalmente dispensável. Outra vantagem esta em sua eficiência de aquecimento, que se propaga facilmente.

Caso você tenha interesse em adquirir algo do tipo, certifique-se de conhecer bem o equipamento, já que ele necessita do combustível correto e também de espaço para o consumo do oxigênio.

Design

A convencional lareira de tijolos não combinaria tanto com alguns dos ambientes contemporâneos que vemos por aí. Por conta disso com o tempo foram surgindo modelos – tanto a lenha como ecológicos – mais Cleans, Industriais e até mesmo panorâmicos, conseguindo atender dois ambientes  de uma única vez, ou até mesmo servindo como divisão para tais.

O uso desses aquecedores não se limitam ao interior da casa, existe uma variedade de modelos específicos para varandas ou áreas de convívio externo. Alguns modelos chegam a lembrar fogueiras, mas ainda assim são chamadas de lareiras.

São charmosas e convidativas, perfeitas para quem busca aproveitar o frio relaxando ao ar livre.

Porém se você busca praticidade e não quer algo que tome muito espaço, lareiras portáteis podem lhe servir bem. Já que a variedade de modelos também é muito grande, com peças que cabem facilmente em cima de uma mesa, ou em um canto vazio.

Por conta da funcionalidade costumam ser sempre sustentáveis, e de fácil higienização.

Mas caso você não queira lidar diretamente com algo que envolva fogo, é possível encontrar aquecedores elétricos com painéis de reprodução de fogo, sem perder aquele toque especial.

Espero que tenha curtido o post e que consiga pegar alguma inspiração 😀 .

Abraços, e até mais!

Não há nada mais gostoso que andar descalço sobre um tapete macio, ou então sentar-se sobre ele e assistir um bom filme. E é por conta disso que esse item esta na minha lista de decoração de inverno, que eu comecei semana passada.

Você certamente encontrará uma grande variedade em estilos e materiais, dos mais tradicionais até os mais contemporâneos, e acredite: um tapete pode causar uma grande diferença na composição de um ambiente.

No entanto, o interessante é que o objeto se harmonize com o restante dos móveis. Por isso o aconselhável é que o tapete seja a última peça a ser comprada. A não ser que você queira que ele seja o foco da decoração, então irá precisar analisar suas cores primeiro.

A forma correta de inserir um tapete ao ambiente é  buscar sempre deixando-lo abaixo de algum móvel.

Se você espera manter um visual aconchegante e calmo, peças mais claras, neutras ou com tons pasteis irão se adaptar facilmente. O mesmo vale para salas com sofás coloridos ou estampados.

Mas se seu objetivo é dar destaque e mais ânimo para o local, tapetes com cores mais fortes, padrões de imagem, ou elementos que criam ligações com outras cores presentes no cômodo pode ser certeiros.

Comprimento

A escolha do comprimento deve ser baseada de acordo com o tamanho do local, e a área que se espera cobrir. Muitos designers de Interiores aconselham que peças mais curtas sejam sobrepostas por 2 ou até 10 centímetros do móvel de composição, como poltronas e sofás. Você também pode permitir que parte do piso fique amostra como forma de moldura.

Tapetes pequenos também podem funcionar bem quando centralizados ou inseridos abaixo de mesas centrais ou puffs. E também possibilitam sobreposições de tapetes, para isso é importante que ambos partilhem as mesmas cores ou características.

O post vai ficando por aqui, mas logo estarei de volta com mais ideias que podem ajudar você com a decoração.

Abraços! E até mais!