Música

Após falar sobre as musicas que mais ouvimos esse ano, que tal relembrar de alguns álbuns que foram lançados em 2017? Alguns trouxeram muita repercussão, outros nem tanto, alguns artistas sendo revelados, outros voltando para os palcos depois de um bom tempo.

Infelizemente não teríamos como fazer um grande apanhado de tudo o que foi lançado esse ano em um único post, por isso pegamos aqueles que acreditamos terem sido marcantes, tanto o que ouvimos como aqueles bem falados por aí.

Reputation – Taylor Swift

A lapide da reputação de Taylor Swift no clipe “Look what you made me do” nos relembrava o quanto as coisas estavam feias para imagem da cantora. Em seu novo álbum ela se apropria de todas essas situações, e caminha para estilo diferente do pop — no qual ela já estava faz um tempo — em meio a respostas e declarações de amor. Seria essa a nova Taylor?

Rainbow – Kesha

O ultimo trabalho da cantora  Kesha descansava em 2012, e de lá até aqui, ela se viu envolvida em uma disputa judicial sobre sua própria liberdade como artista. Seu novo álbum trouxe um ritmo um pouco diferente do qual associavam com a cantora, mesmo assim a essência e a presença de Kesha estão marcadas nas 14 faixas do disco.

÷ Divide – Ed Sheeran

Você provavelmente se pegou ouvindo ou cantando alguma musica desse álbum neste ano, em especial “Shape of You” — que ao lado de Despacito de Luis Fonsi dominou 2017.

Em Divide, ou simplesmente “÷” o cantor Ed Sheeran nos apresenta sua versatilidade musical nas 16 faixas que compõem o disco. Antes deste, seu ultimo álbum havia sido “X” de 2014, que ainda tem muitas das suas musicas reproduzidas até hoje.

Kaleidoscope – Coldplay

Kaleidoscope ficou marcado como EP de continuidade para “A Head Full of Dreams“,  disco lançado em 2015. O lançamento mundial ocorreu no dia 14 de julho de 2017. Já faz um tempo que a banda tem apresentado traços lúdicos e fantásticos em suas apresentações e tunês. Kaleidoscope reforça esse estilo que a banda vem criando para si.

Damn.  – Kendrick Lamar

Após carregar vários Grammys para casa em 2016 — como “Melhor Álbum de Rap”, “Melhor Canção de Rap”, “Melhor Clipe” e “Melhor colaboração de Rap” — as expectativas sobre kendrick lamar estavam bem altas.

Seu  álbum desse ano, intitulado “Damn.” conta com 14 faixas, e já conquistou alguns prêmios ao longo do ano, além do grande numero de acessos em seu vídeo clipe “Humble.” .

I See You – The XX

The XX conquistou o coração de muitos em 2009 com o disco “XX“. De lá para cá, lançaram mais dois álbuns, e algumas musicas avulsas. Este ano I See You apareceu para quebrar o intervalo de mais ou menos um ano entre o ultimo trabalho da banda.

O ritmo do álbum passeia pelo Eletrônico e Indie, com influencia do New Wave e o pop rock.

Vai passar mal – Pablo Vittar

Pablo Vittar saiu de suas apresentações isoladas em shows e baladas por São Paulo, e conquisto pessoas de diferentes partes do mundo. Sua presença passou a ser mais frequente em programas de Tvs  incluindo em horário nobre, posição até então pouco explorada por Drags no Brasil.

Além de seu album que conta com diferentes artistas que caminham por essa mesma trilha de reconhecimento, Pablo Vittar fechou o ano com parceria internacional ao lado de Anitta e Major Lazer. E teve seu single K.O cantado por muitos, sem distinção.

Vem – Mallu Magalhães

Não víamos nenhum trabalho solo da doce Mallu Magalhães desde 2011, quando lançou Pitanga. Porém a saudade só não foi maior por conta da sua união com a Banda do Mar, que ocorreu em 2014 ao lado de seu parceiro Marcelo Camelo e o portugês Fred Ferreira, conquistou o coração de muitos com as canções “Mais ninguém“, “Dia Clarear” e “Pode Ser“.

Neste ano Mallu reapareceu com o albúm  Vem, disponibilizando 12 faixas de uma voz que começou a cantar ainda muito cedo, e tem amadurecido dentro de seu próprio estilo para interpretar poesias.

Espiral de Ilusão – Criolo

Espiral de Ilusão talvez tenha surpreendido muitos dos que acompanham a trajetória do compositor e Rapper Criolo, que desta vez leva sua voz por melodias de samba, com leves influencias de bossa nova. Uma apresentação de sua versatilidade e sensibilidade, já demonstradas até mesmo em rimas mais densas.

O disco Espiral de Ilusão conta com pouco mais de 30 min, e possuí 10 musicas.

Humanz – Gorillaz

É um pouco difícil já não ter sequer ouvido falar de Gorillaz. A Banda que surgiu no final dos anos 90, com membros criados graficamente, teve seus momentos de auges,marcados por musicas como “Clint Eastwood” e “Feel Good Inc.“, em um estilo de rock alternativo e hip hop, chamado por alguns de Trip Rock, característico da banda.

Antes de Humanz, os últimos trabalhos entre 2010 e 2011. Agora, seu ultimo trabalho mostra a evolução e influencias coletadas ao longo dos anos. Com 26 faixas, sendo 18 delas em parcerias com diferentes artistas, os Gorillaz apresentam-se em batidas mais modernas.

Concrete and Gold – Foo Fighters

A banda de Rock não lançava nada desde 2014, por conta disso já era gerada uma expectativa nos fãs. A primeira faixa T-shirt mescla ritmos e nos dão uma ideia do que vem a seguir, as faixas passam por transições que conversam uma com as outras. O álbum apresenta melodias e letras suaves que contrastam com momentos mais ácidos.

Hopeless Fountain Kingdom – Halsey

O mais recente álbum de Halsey  traz 16 faixas, apresentados inicialmente como pertencentes a um mesmo universo, que seriam conduzidos por vídeo-clipes em forma de continuações, algo que a cantora já havia apresentado em algumas musicas do disco “Badlands“.

Em um seguimento de pop alternativo, Hopeless Fountain Kingdom conta com a participação de Lauren Jauregui (Fifth Harmony), Quavo e Cashmere Cat.

Sacred Hearts Club – Foster the People

A saída de Jacob Fink, por conta de seu casamento, surpreendeu a todos os fãs – inclusive a gente – que passaram a se questionar sobre como as coisas funcionariam com Mark Pontius e Mark foster. Foi então que a banda voltou esse ano trazendo dois novos membros para equipe — Isom Innis e Sean Cimino — e um estilo um pouco mais distante do Indie Rock com o qual trabalhavam.

O novo projeto foi apresentado primeiramente com 3 novas musica, lançadas simultaneamente, e em seguida ocorreu a liberação do álbum completo com 12 musicas. Uma surpresa muito boa.

Lust For life – Lana Del Rey

Lana voltou com tudo em 2017. Lust for Life foi um dos grandes destaques do ano por saber se renovar livremente dos trabalhos anteriores da cantora. Ela parece, com hits como ” Love” e “Lust for Life“, querer embalar os sonhos românticos de uma juventude.

O álbum tem melodias contagiantes e gostosas de ouvir que se desenrolam facilmente de uma para outra. Ainda conta com grande diversidade de convidados, passando do rapper The Weekend à Sean Ono Lennon, filho de Yoko Ono e John Lennon.

After Laughter – Paramore

Uma das bandas mais queridas de Rock Alternativo, mas que não lançava nada desde 2013, reapareceu esse ano com o álbum After Laughter. Muitos especulavam sobre um possível fim da banda, e uma carreira solo para vocalista Hayley Williams, no entanto Paramore voltou emplacando “Hard Times” como primeiro single do novo álbum, e matando a saudade de muitos.

 

⭐TOP 5 FAVORITOS⭐

5. Witness – Katy Perry

É inegável que esse é o trabalho mais ousado da carreira de Katy Perry. A cantora, no inicio deste ano, começou a promover e consequentemente lançou um projeto antigo e mais pessoal que ela vinha trabalhando há alguns anos. Witness vem na linha de um pop mais consciente, o que foi anunciado logo pelo primeiro single “Chained to the Rythm” uma declarada crítica à distração e alienação na sociedade norte americana.

Em geral, essa linha perpassa todo o álbum trazendo algumas canções mais voltadas ao empoderamento feminino, além de letras que remetem situações pessoais vividas pela cantora. Desta forma Katy Perry entrega um trabalho consistente, consciente, mas ainda com o carisma e descontração — marcas fortes em sua carreira.

4. Younger Now – Miley Cyrus

Se você é jovem ainda, amanhã velho será. A menos que o coração sustente a juventude que nunca morrerá.” lógico que sabemos que esse verso não pertence a nenhuma musica da Miley Cyrus, mas poderia facilmente resumir o clima do álbum Younger Now.

Miley ainda é uma cantora muito nova, mas que possui uma grande carga de conhecimento e influencia musical, um pouco da herança de sua família. Neste álbum encontramos uma mulher que parou para se reencontrar consigo mesma, e por em uma balança tudo que arriscou perder ou deixar para traz. Seus traços mais ousados não foram apagados, mas ela caminha de volta, inspirada pelas casualidades de sua própria vida.

3. Harry Styles – Harry Styles

Harry tornou-se esse ano uma das vozes jovens mais fortes na musica. Sua estréia em carreira solo, com um disco levando seu próprio nome, nos apresentou quem é realmente Harry Styles e do que sua voz é capaz.

Harry caminha distante dos ritmos característicos de sua boyband, e parece montar um altar em homenagem a suas principais influencias. Com musicas para embalar e causar saudade, outras feitas para serem cantadas em alto e bom som, o pop-indie-rock-alternativo de Harry Styles promete muito para os próximos anos.

2. Dua Lipa – Dua Lipa

Para muitos, Dua Lipa foi uma das maiores revelações deste ano. Muitos a conheceram por meio de Blow your Mind, Be the One ou então New Rules, seus hits de maior sucesso. Porém seu primeiro álbum, que leva também seu nome, nos mostra que ela esta longe de ser uma artista de um único sucesso.

O disco reúne na verdade musicas que a cantora já havia lançado anteriormente, de maneira um pouco mais independente, e canções que até então eram inéditas. Trata-se de um álbum que mescla faixas mais ritmadas e dançantes, com outras mais lentas e românticas.

1. Melodrama – Lorde

Aos 20 anos a cantora Lorde compôs seu segundo álbum: “Melodrama”. Este é o retrato pulsante de uma juventude vivida a mil por hora, corações são partidos, novos amores são feitos, lembranças nostálgicas são embaladas por um som neon, relacionamentos perigosos são vividos o mais intensamente possível.

Em resumo, Lorde compôs um retrato honesto do que é viver e ser jovem no século XXI, não a toa o album coleciona menções como o melhor do ano por diversas revistas especializadas em música e cultura pop.

Ufa. Enfim essa foi nossa coletânea de lançamentos de 2017, mas sabemos que muita coisa ainda ficou de fora. Por isso queremos saber de vocês: o que curtiram ouvir, e o ficou marcado para vocês esse ano? Conta pra gente!

Abraços e até mais.

Chegou aquele momento do ano em que o Spotify nos revela o mais passamos o ano ouvindo, e para a maioria de nós sempre acaba pintando uma surpresa que passa despercebido.

A plataforma é toda interativa, e permite que você de o seu palpite sobre o que acha ter escutado mais durante o ano. Para descobrir quais musicas acompanharam seu ano clique aqui. *É preciso ter conta ativa no Spotify*

Meu resultado me surpreendeu muito

O tempo que passei ouvindo musica pelo aplicativo é bem alto, mas sei que poderia ser maior, levando em conta que passei alguns meses sem nem conseguir parar para ouvir musica, por conta da rotina.

Dua Lipa se destacou na minha lista como artista mais ouvida. Me lembro que mais para o começo do ano, eu escutava “Be the one” varias (até no mesmo dia), mas foi só depois da metade do ano que passei a ouvir seu álbum completo — do qual gosto muito aliás.

Me surpreendi também com a ausência da cantora Lorde nessa lista. Nos últimos meses tenho escutado muito seu álbum “Melodrama”, lançado em junho deste ano, mas acredito que tenha ficado de fora justamente por ser um vicio recente.

Apostei em “Cruel” da Foxes como minha musica do ano, justamente porque me identificava muito com ela enquanto ouvia. Porém essa levou o segundo lugar. “Rockabye” da Clean Bandit, com participação de Anne-Marie e Sean Paul, levou o primeiro lugar.

Em resumo geral esses foram os meus resultados:

Ué? Mas não tem playlist de retrospectiva? É claro que sim!

O spotify está criando para seus usuárias 2 playlists pessoais/personalizadas com as 100 musicas mais relevantes em suas bibliotecas durante o ano, e outra com musicas que fizeram sucesso dentro da sua teia de execuções, mas que você não chegou a ouvir.

Eu não poderia deixar de compartilhar essas duas listas com vocês, até por que tem muita coisa que eu gosto e recomendo 😀 — tem também aquelas letras das quais nos arrependemos de ouvir, mas enfim.

Meu top 100 Spotify 2017 ❤

Musicas que deixei escapar

Outras Playlists

Além dessas playlists personalizadas, a plataforma também criou colectâneas com as musicas brasileiras mais ouvidas, os artistas brasileiros mais ouvidos, Artistas mulheres mais ouvidas, os homens mais escutados, entre outras.

Você pode encontrá-las no site ou no aplicativo para Android ou iOS.

Neste ano acabei ouvindo muitas artistas femininas, e conhecendo muita coisa nova também. Mas quero saber o que vocês andaram ouvindo? Qual foi a musica do ano de vocês? Tivemos algum resultado em comum? Deixe aqui nos comentários!

Abraços e até mais!

Hey!

Você provavelmente já se deparou com um vídeo vertical, ainda mais se você usa aplicativos de stories. A imagem capturada toma a forma da posição na qual o celular está sendo segurado. O curioso é que não muitos anos atrás, esse formato de vídeo o não era se quer existente — me senti velho falando isso —, um vídeo em posição retrato era um vídeo perdido, ou então você precisaria fazer algumas edições para poder usa-lo.

O fato é que esse modo de captação de imagem tem se tornado cada vez mais popular entre os internautas, o que também gera um certa divisão de gostos.

Mas existe uma verdade por trás disso — teoria da conspiração —, algumas coisas tornam-se muito mais impactantes quando vistas fora do formato convencional, como esses três clipes dos quais falarei agora.

Assista em um celular ou tablet.

Foster the People – Sit Next to Me

Entre os três, este é meu favorito sem dúvida. Não só por gostar muito do trabalho da Foster the People, mas primeiro por terem ousado em lançar esse formato como vídeo oficial para a musica Sit next to me, e também pela estética de feed do instagram que deixa a experiência ainda melhor quando visto pelo celular.

 

Selena Gomez & Marshmello – Wolves

A parceria entra Selena Gomez e o DJ Marshmello também não fica muito atrás. O destaque aqui está na simulação de uma chamada de vídeo via smartphone. Por isso o clipe não contém cortes, e a cantora passa grande parte do tempo com o celular em mãos dançando pela casa.

 

Camila Cabello ft. Young Thug – Havana

Eu só sei que o celular da Camila Cabello deve ser muito bom para conseguir essas imagens. A cantora que entrou a pouco tempo em carreira solo, criou mais uma versão audiovisual para sua musica Havana. O clipe assemelha-se aos stories, e é composto por vários trechos em diferentes situações em uma estação de metro e pela cidade.

 

E você? Curte essa forma de apresentação? Tem mais algum clipe para me indicar? Então deixa aqui nos comentários 😀

Abraços, e até mais.

Hey!

O brasileiro Butcher Billy, que já apareceu por aqui uma vez com suas ilustrações dos episódios de Black Mirror em forma de antigas revistas em quadrinhos, soube enxergar um potencial sombrio em músicas dos anos 70, 80 e algumas atuais. Acrescentando uma dose de inspiração nas histórias escritas por Stephen King, Billy criou capas de livros e fitas VHS de terror.

Porém, a relação entre as musicas e as obras de Stephen King não é algo novo, visto que muitas bandas já se inspiraram em seus contos e livros para composições. Um grande exemplo é “Pet Sematary” dos Ramones, também ilustrada pelo designer, a qual o próprio escritor teria indicado para trilhar sonora da adaptação cinematográfica de mesmo da obra, por ser grande admirador da banda.

Em vista disso, o resultado obviamente não poderia ser outro. Butcher Billy ainda acrescenta em seus trabalhos aspectos de desgastes, que faz com que tudo fique ainda mais fascinante.

Confira alguns de seus trabalhos e as músicas nas quais foram inspiradas:

Infelizmente as faixas estão limitadas em 30 segundos, mas é possível ouvi-las em forma completa no site ou aplicativo do spotify.

Você encontrará estas e outras obras do ilustrador em sua galeria  no Behance. Aproveita e depois conta pra gente o que achou dessa mistura sombria.

Abraços, e até mais!

É com muito orgulho que anunciamos a volta do Música em Foco aqui no Blog. Esse projeto surgiu lá em 2014, com uma ideia inicial de conhecer músicos e bandas que usam a internet para divulgação de seus trabalhos, e convida-los para uma conversa onde pudessem expressar suas inspirações, trajetórias e objetivos.

A ideia de levar isso além da matéria em texto, já circulava em nossas mentes a muito. E agora finalmente demos um passo adiante para que isso aconteça. A nova fase do Musica em Foco, inaugura também nosso canal no youtube.

Para essa nova etapa, contamos com a presença do Jean Nascimento, criador de A Quarta Montanha. Na entrevista com o Felipe Oliveira ele nos contou sobre o surgimento deste que é seu projeto pessoal, além de citar suas influencias e seu pensamento sobre o cenário Urbano.

Confira:

*Inicialmente o Vídeo teria sido postado na sexta-feira passada, mas por conta de alguns problemas com áudio ele foi retirado e repostado. Esta é a nossa primeira experiência pela plataforma de videos, por isso esperamos a compreensão de vocês*

Tivemos a honra de sermos escolhidos para ajuda-lo com o lançamento de seu novo trabalho. A música “Abriu os Braços” divulgada junto a entrevista, ficou marcada como sua segunda musica no projeto A Quarta Montanha.

E já adiantamos que amamos muito essa faixa, não só pelo ritmo mas também pela letra forte que a acompanha.

O sigle já esta disponível no Youtube e também na SoundCloud. Mas claro que deixaremos aqui para vocês conhecerem.

Ouça também “Vela”.

Nos Bastidores

Durante uma conversa que antecedeu a entrevista, Jean nos contou um pouco sobre seu olhar diante da interação das diferentes gerações com a cidade.

Ele se enxerga capaz de despertar de alguma forma o interesse das pessoas em usufruir melhor os espaços urbanos, não limitando o entretenimento apenas aos shoppings e lugares fechados. Por isso ele curte registrar locais e imagens interessantes em suas redes sociais.

Jean também levanta junto com seus amigos um grupo de ciclismo, fazendo do ato de pedalar um estilo de vida.

📷@lukasbatistel

Uma publicação compartilhada por Jean Nascimento A.k.a. Mtron (@mtrondesign) em

Como citado na entrevista, ele também gerencia um Blog e Canal chamado Jazz, onde ele compartilha suas idealizações e seu estilo de vida, vale a pena conferir: Instagram, Youtube, Blog.

A entrevista também revelou como a arte influencia suas composições, sendo que alguns de seus trabalhos artísticos dão ligações para suas letras. Alguns de seus materiais podem ser encontrados no Tumblr (MTRON), e em no instagram como @mtrondesign.

A ideia para o local de gravação partiu do próprio Jean. Queríamos um local no qual ele se senti-se confortável e habituado. Sendo assim, conseguimos uma autorização para gravar no jardim do Museu da Imagem e do Som em Campinas (MIS). A eles nossos agradecimentos. A locação nos ajudou a fazer com que a conversa fluísse mais livremente.

O museu conta com um bom acervo relacionado a evolução da mídia e comunicações no Brasil, em especial na cidade de campinas, com materiais ligados ao cinema, teatro, radio e televisão, além de bandas e orquestras que se apresentavam no passado pela região.

O museu também conta com a exibição de filmes premiados, desde grandes produções até as mais independentes. E conta também com oficinas e palestra relacionadas aos assuntos de comunicação e arte.

E apesar das condições do prédio, que acreditamos merecer uma atenção especial, a visita acaba se tornando uma boa experiência do conhecimento ao patrimônio histórico do município. Já que o museu esta instalado no Palácio dos Azulejos.

Estamos ansiosos para continuar trazendo mais conteúdos como estes pra cá.  E ir e evoluindo cada projeto aos poucos. Contamos com ajuda e opinião de vocês para a formação das próximas matérias.

E em breve divulgaremos o que será preciso para participar desta nova etapa do Musica em Foco.

Abraços da Equipe.