Textos & Cronicas

Texto: Não quero soar imodesto

Foto: Allef Vinicius

Existe uma linha bem fina, traçada a lápis, que separa a autoconfiança da presunção. Com medo de ultrapassar essa linha, ou borrá-la enquanto escrevo, me vejo como um merecedor das pequenas alegrias, dos dias acolhedores, do toque suave, de um abraço apertado, um amor correspondido.

Até onde me conheço, corro o risco de parecer estúpido demais, por buscar ser sempre gentil demais. Na verdade, acredito que todo ser consciente deseja ser lembrado pelas melhores sensações que já foi capaz de causar aos outros.

Mas em um mundo cada vez mais frio, cético a respeito das demonstrações sem segundas intenções, desapegado do amor e dos grandes laços, quem possui coração quente sofre para não esfria-lo.

Eu? Sei lá, talvez você me ache um porre. Cara chato, ainda na casa dos 20 e poucos querendo falar sobre definição de amor. Dizendo que as coisas mudaram como se fosse um senhor de idade que discute com um prédio construído no lugar onde ele costumava brincar.

Ta aí, uma boa definição para o meu eu interior.

Eu sou das antigas — seja lá o que isso signifique —, gosto de me prender a conversas intermináveis sobre absolutamente nada relevante, como um pretexto para passar mais tempo absorvendo detalhes e admirando gestos. Gosto de encher minha cabeça com momentos únicos, os quais parecem ser roteirizados para uma boa trama. Me divirto compartilhando coisas, criando algo que só dois vão entender. De ter a risada alta, de perder o fôlego, mais do que uma mensagem de texto enviada sem qualquer reação nos lábios.

Mas essas são coisas que tenho visto cada vez menos ao meu redor. E como consequência, tenho me sentido sozinho, sozinho em frente as mensagens de textos, discutindo com as não respondidas — Este lugar costumava ser bonito, mas vocês estragaram tudo com suas construções.

A verdade é que existe muita gente se sentindo sozinha, até mesmo as que se encontram no centro de uma multidão. Os principais problemas mundiais se sustentam em cima de um único aspecto: As relações humanas, e sua fragilidade.

E apesar de falar sobre a própria tristeza parecer egoísta nessas situações, me encontro pensando no que fiz errado. Se é possível afugentar os outros por lhes oferecer a promessa de alguém em quem confiar. Se sonhar com uma relação estável me torna desinteressante.

Amar é uma necessidade que nos acompanha. Seja um ideal, um objeto, um lugar, alguém, ou até a si mesmo, alguma coisa você irá amar.

Eu sou apaixonado pela visão de se apaixonar.

Mas até mesmo quando você tem guardado muitos sentimentos bons no peito, e ninguém para aceitar, pode acabar se sufocando.

Sei que não sou o único a se sentir assim, e de certa forma é isso o que me consola. Guardo esses sentimentos, não na intenção de escondê-los, e sim os protegendo. E sem querer soar imodesto, confio que sou uma pessoa boa, mesmo com meus defeitos, e por isso mereço um amor.

E.Mateus

Foto: Ezra Jeffrey

Até aqui uma verdade constante tem se apresentado, a verdade de que a vida é inconstante. E por mais que você busque deixar tudo no lugar, em repouso, no caminho certo, sempre existirão coisas que não dependem só de você.

A vida é como um emaranhado de fios, ou uma cesta trançada — se lhe for mais bonito —, cada linha segue seu percurso até se encontrar com outra, esse encontro forma uma base, ou nó, algum tipo de interação que mantém todo o elemento unido.

Na nossa existência esses encontros podem ser maravilhosos, mas também desastrosos.

Quando isso acontece, passo a enxergar três caminhos lógicos para seguir, ao mesmo tempo que sei que a verdade ligada a cada um deles carrega uma parcela de dor.

Me vejo obrigado a escolher o que devo sacrificar e a que devo me agarrar fervorosamente. Enquanto a face mais sincera da minha mente esboça um sorriso sem graça, dizendo para si mesma que vai ficar tudo bem, mesmo não querendo abrir mão de nenhum dos dois.

Me vejo intimado a não fugir, a lidar com isso, confrontar os erros cometidos por todos os lados dessa infelicidade, e buscar um caminho que não me leve a revivê-los.

E talvez o mais pesado. Aceitar. Aceitar que se foi, aceitar que perdi, que se rompeu, que aconteceu e não pude controlar. E por mais que eu berre, e enlouqueça de frustração, nada irá mudar o passou. Já foi, dói, eu sei.

Mas assim como o emaranhado só conquista sua forma através de conexões, mesmo que confusas, nós só passamos a crescer quando guardamos conosco aquilo que nos faz crescer.

No final, a parte de aceitar só é ruim quando vem acompanhada de acomodação.

No geral as pessoas costumam saber exatamente o que querem para si, e onde querem estar — mesmo que a mente não demonstre com clareza —, mas alcançar isso demanda as vezes mudanças, adaptações e amadurecimento.

hoje me vejo no meio dessas três etapas, ainda cambaleando por conta do tombo que levei, mas convicto daquilo que quero.

Não tenho certeza quanto a isso, mas acho que cresci.

E.Mateus

Texto: Fique Bem,

Foto: Lee Key

Se cuida para o seu bem.
Para ficar bem, pra quem te quer bem.
Pra dar o bem, pra quem você quer bem.
Bem pra você também.

Chore o que tiver que chorar, sinta o que tiver que sentir, ponha essa dor para fora. Só assim ela irá embora. As vezes precisamos de espaço no peito para coisas novas.

Não tenha medo de pensar e refletir, de lembrar e se incomodar. Faça isso quantas vezes você precisar, mas esteja pronto para deixar isso lado quando for chegada a hora.

Não se afogue na tristeza. Nem dê armas para os seus medos. Aprisionar-se não irá lhe proteger. A mudança já vive em você.

Existe um caminho entre a boca e coração, onde muita coisa pode se perder. A gente esconde o que sente, mente, muitas vezes sem perceber. A gente não se entrega, só se fecha, muitas vezes pelo medo de dar e não receber.

Depois de um tempo isso deixa de ser sobre o que fizeram com você, e passa a ser sobre o que você fez com aquilo que lhe fizeram.

Não se esquece alguém pondo outro alguém em seu lugar. Ponha um pouco de si mesmo nesse vazio que se abriu, ponha um pouco de amor pelo seu próprio sorriso, e o sentimento de querer ficar bem.

Fique bem, pra quem sabe alguém…
Mas fique bem, por você meu bem.

E.Mateus

Texto: Me deixa morar em você

Foto: João Silas

Alguém há muito tempo já dizia: “Lar é o lugar onde seu coração está”.

Eu diria que lar é algo maior que uma casa, ou um abrigo, é o local ao qual você pertence, é o lugar onde sua vida está, onde todos os seus traços foram depositados, a morada que em troca lhe fornece paz. Pessoas também podem ser lares, e eu me enxergo vivendo em você.

seus alicerces foram fincados na terra de um jeito tão nobre, a forma como você mantém os pés nos chão, mas se permitindo sonhar, é admirável. A segurança que recebo em baixo de seu teto é maior do que aquela que já recebi em qualquer outra habitação. Pois ele é forrado por estrelas que brilham quando as luzes se apagam, e palavras que afastam a escuridão que parece querer nos engolir.

Seu calor me aquece nos dias mais frios. É o conforto ao qual procuro no fim do dia, é onde quero estar todas as manhãs, morando em um abraço seu. Sei que te devo a minha parte, pois há dias que uma casa não se aquece sozinha, nestes momentos te oferece o meu amor abrasado, na temperatura exata para que fique bem.

Através dos teus olhos eu enxergo o mundo, sua visão é tão bela, abrilhantada e deslumbrada pelas simplicidades do mundo. Olhos que me ensinaram a ser mais humilde e valorizar tudo o que tenho ao meu redor. Por eles eu enxergo a melhor vista do alto de uma montanha, até de uma cidade abarrotada.

Quando me ofereces a mão, também me oferece as fechaduras. A certeza de que ninguém poderia te roubar de mim.

Com os seus dedos, me passeia, pelo abrigo ao qual estou disposto a lhe dar, parece caminhar como alguém que busca problemas para solucionar, para certificar-se de que está tudo bem. Nessas horas você vem me visitar.

E quando se vai, sinto-me desesperado a voltar para o lar que me destes, pedindo em seus ouvidos: Me deixa morar em você?

E.Mateus

Texto: De algum jeito…

Foto: Lechon Kirb

Nossos corpos foram separados por uma trapaça do destino, eu sempre acreditei pertencer a você, mas os caminhos foram tortos e minhas pernas fracas, de algum jeito eu te deixei.

A vida nos levou para lugares distintos, eu me abriguei em um sofá contemplando o romance dos filmes, enquanto você se balançava sob as luzes de néon de um lugar escuro e amontoado. De algum jeito a vida lhe ensinou a ser quem você é.

Corpos distantes, mentes coladas. De algum jeito lhe guardei em minhas mãos, segurando com tanta força até vê-las sangrar, eu nunca me importei de me machucar. Não por você.

Suas palavras sempre me acalmaram a alma. E seus olhos sempre me abrigavam em um local seguro. Uma vez você me disse o quanto gostava de me ver. Mas não é da mesma forma que eu olho para você, não do jeito que eu amo te ver.

Isso acabou de forma rápida, o curativo foi arrancado mas a ferida continuava a arder. E não importa o que você faça, eu vejo minha vida com você.

Porque me fez sentir tão forte, mesmo quando tudo estava em ruínas. E não importa o que você faça, eu sempre encontrarei um jeito de te amar.

Sei o quanto o coração pode ser volátil as vezes, e isso não é por nossa culpa. O mundo nos exige mudanças e escolhas constantes. A maior parte do tempo buscamos nos esclarecer para nós mesmo e não para os outros.

De alguma maneira eu te entendo.

Quando diz que quer se manter por perto, sob a segurança da sua única certeza, que do meu lado você encontra paz. Mas não da mesma forma que eu preciso de você. Não, não do jeito que eu te amo.

Mas mesmo tão distante, com tudo isso acabado. Não importa o que aconteça, eu me encontro em você.

Porque me senti tão sozinho observando a mudança em seus olhos. Sem me importar com o que você dizia. Eu simplesmente estava de algum jeito com você.

E.Mateus