Variedades

Foto: Ilustração – de desconhecido

Na última parte do nosso especial sobre histórias assustadoras — veja a #1 e #2 parte —, não dá pra falar de contos de terror sem os calafrios causados pelo norte americano Edgar Allan Poe (1809 – 1849), que mais de 100 anos após sua morte ainda é um ícone absoluto do terror ao redor do mundo e continua provando seu poder de assustar leitores e plateias e inspirar as novas gerações de autores de terror.

Poe escrevia como se conhecesse as trevas, representando sentimentos ruins, principalmente o desespero, através de histórias diretas e sem enrolação ou enfeite. Ele soube como poucos estimular o lado negro da imaginação humana, e por isso é leitura perfeita para uma sexta feira 13.

Existem ótimas coletâneas e edições para os textos do autor, por exemplo a completa coletânea da Darkside Books que já falamos por aqui. Porém para este post, escolhi três dos textos que mais gosto do autor, assim relembro de três clássicos para os fãs e apresento três dos melhores para os que ainda não conhecem Edgar Allan Poe.

No geral, Poe escreveu sobre uma gama de angústias, desesperos, assombrações, culpas, sendo capaz de ver como ninguém a mente humana. Até mesmo o amor toma um lado sombrio nas mãos dele, como em “O corvo” nesta maravilhosa edição da Darkside Books que conta até mesmo com a tradução feita pelo mestre brasileiro Machado de Assis. Mesmo que escrito em forma de poesia, a capacidade narrativa desta história é tão incrível que o autor facilmente transporta o leitor para a cabeça de um homem que perdeu o amor e se vê atormentado por um corvo.

Outro trabalho muito reverenciado do autor é “O Gato Preto”, um conto absolutamente original, de novo, Poe retrata de forma inigualável a descida de um homem a loucura, e as consequências disso, dessa vez a figura sombria é um gato, que lembra o homem das suas sombras. O gato preto que parece olhar diretamente na alma do louco, o gato é implacável em revelar ao homem a loucura interna dele que ele negligenciou em ver.

Por fim, temos “O barril de amontillado” apesar de menos conhecido, este conto retrata a suprema e mais sádica história de vingança, quando dois homens decidem explorar uma cripta sozinhos. Inclusive, é melhor que seja dito pouco deste conto para que o leitor o explore sozinho.

Poe continua a ser referenciado em muitas obras até hoje, e lido e atualizado sempre que precisamos de um bom calafrio. Com uma obra imortal dessas, qual seu conto preferido dele? Acham que esquecemos de algo? Conta aqui, vamos nos assustar juntos com Poe!

Assim como os microcontos, as creepypastas são as novas versões das histórias de fogueira. O termo em si vem de copypasta, ou seja, espalhar um conteúdo pela internet através da função copiar e colar.

Os autores dedicados a esse tipo de história, pensam-nas com um único objetivo, chocar seu leitor, as creepypasta tem capacidade de gerar noites sem sono, e imagens perturbadoras na mentalidade das pessoas por muito tempo. Elas se espalham como verdadeiros vírus, fantasmas e monstros e outras criaturas inexplicáveis, sendo compartilhadas a velocidade da luz e gerando outras crias, como vídeos no youtube e longuíssimas galerias dedicadas a fotos.

Uma outra forma de creepypasta são aquelas que não tem bem um autor, nem forma específica, são mais lendas urbanas que ganharam a internet e agora vivem por aí no imaginário, uma delas remete a lenda da garota e seu cachorro sozinhos em casa. Uma da versões desta história pode ser lida aqui.

Algumas dessas histórias inclusive estenderam seu alcance para mídias como a tv, como na série do canal syfyChannel Zero” que a cada temporada se dedica a adaptar uma dessas histórias para o formato. Na sua primeira temporada, a série adaptou “Candle Cove” umas das creepypastas mais famosas.

A segunda temporada da série “Channel Zero” fala da “No end house” (ou em português) “A casa sem fim”. Uma assustadora casa de assombro que é muito mais assustadora do que se espera, ela mexe com o psicológico dos participantes de forma sobrenatural e os leva a loucura, quem sabe se eles se quer saem de lá…

Contar histórias de terror sempre foi algo presente na história humana, seja como histórias de fogueira, mitos de internet, causos da roça, lendas urbanas, entre outras, muitos de nós tem prazer em sentir esse medo seguro de ouvir uma lenda da carochinha (como dizem as avós). E vocês? Qual a história de terror favorita de vocês? Qual foi aquela que te provocou calafrios de medo? Conta pra gente (ou não, num queremos mais ficar com medo).

Jovens assustados em uma noite fria em volta da fogueira, um deles em pé conta uma história de terror. A história vai ficando mais e mais tensa. A cada frase se aproximando do ápice. Então O SUSTO. Seguido de risadas e descontração. Ou não.

A cena acima é quase um clichê do gênero terror, é impossível dissociar as duas coisas e as duas sempre existiram, mas atualmente as histórias em volta da fogueira ganharam diversas outras formas, fontes e meios. Algumas delas foram adaptadas, outras permanecem as mesmas desde tempos imemoriais.
Não importa, o que importa é contar histórias, e em especial numa sexta-feira 13 de outubro, elas devem ser assustadoras.

Atualmente, a internet se tornou uma espécie de grande fogueira de histórias. Grandes comunidades e muitos fãs se reúnem em torno das chamadas histórias virais (ou seja, contos falsos que se espelham de forma incontrolável pela web, de forma totalmente anônima). Uma das formas de se contar essas histórias é justamente com os chamados microcontos. A proposta é simples: 2 frases, poucas palavras e um final capaz de gerar calafrios no leitor.

Como ? Pensando nisso a página da rede social @skoob está compilando ao longo de Outubro, 20 dessas micro histórias de terror. Todas elas são postadas de forma anônima, porque para muitas delas sequer é possível descobrir quem é o autor. Para dar uma pequena amostra do projeto, nós separamos aquelas histórias que mais gostamos e mais mexeram com a gente .

 

Não deixe de conferir nosso segundo post dessa sexta-feira, onde falei um pouco sobre as Creepypastas. Aproveita me diga o que achou desses microcontos. 😉

Wish List: Achados da Colab55

Sabe quando você se depara com uma loja online que te faz querer encher o carrinho assim que você a acessa? Pois é, segurem suas carteiras, vou lhes apresentar a COLAB55.

Se você tem o costume de acompanhar ilustradores brasileiros, existe uma grande chance de já ter ouvido falar sobre essa marca. Já que eles desenvolvem um trabalho muito legal em parceira com artistas nacionais.

A COLAB55 se junta com ilustradores que desenvolvem artes exclusivas (ou não) para a loja, e como segundo passo esses trabalhos são convertidos para estampar dezenas de materiais. Entre as categorias no site estão posters, agendas e cadernos, camisetas, almofadas, canecas, cases e até mesmo azulejos personalizados, entre outras.

O site da loja também fornece uma boa estrutura de interação entre compradores e artistas, já que cada desenvolvedor pode ser localizado pelo seu perfil e os consumidores podem fornecer comentários sobre o que acharam sobre as artes disponíveis.

Lá encontrei alguns dos quais eu já vi trabalhos, como @robsonborges @malenaflores@vitormrtns. E pude conhecer muitos outros. Em menos de 20 minutos eu já me vi apaixonado pela loja.

Por isso resolvi trazer essa Wish List, com alguns dos produtos que mais me chamaram a atenção e acredito combinarem bastante comigo. (Outro fato interessante, já que a loja oferece uma grande variedade de estilos, isso torna mais fácil para as pessoas se identificarem com os produtos.)

 

1. Caderno Artesanal Gravity II2. Poster Abraçando a Natureza3. Caneca Folhas  – 4. Almofada Híbridos#35. Almofada Estrelas6. Adesivo Where is the Rainbow? – 7. Adesivo Beautiful Minds – 8. Flamula Be Kind

Perfis da Loja: Facebook, Instagram, Pinterest

Abraços e até mais!

Por fim, a data mais romântica do ano chegou, mas para alguns esse dia pode se estender em uma enorme tortura. Ainda mais se você acaba de sair com o coração quebrado de um relacionamento, ou de uma desilusão amorosa. Não se sinta mal por estar incomodado com todas essas expressões de amor, realmente pode ser difícil ter que encarar situações que te lembrem coisas que você perdeu.

Por isso, tentei encontrar soluções para lidar com essa situação, já que estou passando por algo similar. Sei que toda a propagando do Dia dos Namorados está rolando a semanas, mas sabemos que é realmente hoje, que a coisa aperta.

Tente…

Evitar redes sociais

Ainda mais se você passou por um término ou desilusão amorosa recentemente, são campos minados.

Infelizmente não dá pra fugir tão fácil assim das propagandas e músicas que ficam em todos os lugares. Mas com toda certeza você irá se deparar com algo sobre a data na internet, desde postagens de casais até declarações prontas para serem compartilhadas. Acredite, você pode escolher não passar por isso.

Não cair na besteira de procurar algo fácil só para preencher seu vazio.

O que mais se vê em comum hoje em dia é a troca do sentimento pelo sentido, muitas pessoas buscam consolo para suas carências em pegas rápidos e descompromissados. Por mais que isso te faça bem no momento, depois você acaba se lembrando que ficou com alguém sem criar qualquer vínculo, ou até pior, se acostuma com o fato de não precisar criar vínculos só para sentir um beijo.

E se você está mal por alguma razão hoje, acredite, esse não é o caminho para você.

Reunir seus amigos

Se você sabe que não ficará bem com o clima da data, a pior coisa a se fazer é lidar com isso sozinho. Junte-se com outros amigos solteiros para passar um momento descontraído, seja criativo, façam um campeonato, uma noite de jogos ou filmes. Mas não abrace a solidão.

Se sentir completo.

Em vez de passar o dia refletindo sobre sua solidão, encontre formas de ser feliz consigo mesmo. Lembre-se de tudo que te alegra, coisas que preenchem seu tempo pessoal, suas particularidades, assista seu filme preferido,faça maratona de uma série da qual goste, pratique um hobby, cuide-se e preencha seu coração com coisas boas.

Esqueça da data — é só um dia comum.

Leve sua rotina em paz, como sempre. Busque não dar tanta importância para o que os outros estão fazendo. Isso só irá te machucar se você permitir. Seja forte.

Abraços.