Pessoal

Foi de repente. Em um minuto estava tudo bem, nos sentíamos confiantes e cada vez mais próximos. O ano seguinte já havia sido idealizado e o entusiasmo em nossas vozes era nítido. Mas em algum momento isso se perdeu, se foi em um estalar de dedos ao ponto que a vida atirava pedras em nossa vitrine frágil.

Para romantizar, foi assim. Para ser sincero, um pouco pior.

De certo modo sempre tivemos a consciência de que um dia as coisas ficariam um pouco mais difíceis, mas nos propomos a ir até onde era possível.

Atingimos aquele ponto de nossas vidas em que somos obrigados, por sobrevivência, a providenciar formas de ter algo para nós mesmos. Nos deparando com a necessidade cada vez mais visível de se obter uma boa qualificação, adquirir independência, criar laços mais concretos, e ganhar dinheiro.

E por mais que este blog tenha surgido como uma espécie de hobby, nunca deixamos de acreditar naquilo que tentamos fazer aqui. A muito tempo isso deixou de ser um sonho jovem. Ficava cada vez mais claro pela forma como nos reuníamos para planejar assuntos e discutir ideias, pesquisar eventos, e tentávamos amadurecer o conteúdo.

Dedicamos muito tempo e energia por aqui, e sinceramente, não nos arrependemos de nada.

Nosso carinho por esse site aumentou conforme ele passou a refletir nossas vidas. Seu surgimento despretensioso reunindo dois amigos de infância completamente opostos, mas que sempre encontraram em suas conversas um ponto de equilíbrio comum, ganhou força ao adotar um terceiro membro sagaz com uma mente repleta de ideias. Ele era ainda mais diferente que os dois juntos, mas ao mesmo tempo tinha ainda mais coisas em comum com ambos.

A aliança foi formada.

Mas o auge dos contrastes foi atingido quando completamos 23. Aos 23 anos, um se deparava com a crescente urgência da responsabilidade de uma paternidade. Enquanto outro encarava os novos desafios após se formar, e passava a lecionar em uma escola. E ainda havia aquele que aos 23, se sentia perdido, e buscava todos os dias formas de se encontrar em um mundo onde ninguém para pra esperar você se levantar.

Com 23 nos sentimos jovens demais para muitas coisas. Como se alguém estivesse constantemente tentando adiantar um relógio em nossas vidas para um tempo em que ainda não estamos prontos para encarar. Mas também sentimos que não há mais tempo para perder tempo.

É aquele ponto de virada na vida de muitas pessoas, um daqueles momentos onde você passar a ver as coisas de diferentes formas, com a certeza de que esse ponto de virada retornará daqui um tempo, e de novo, e de novo.

Talvez se sinta jovem demais para escolher alguém para passar os próximos anos com você, mas já não é tão jovem ao ponto de não querer a segurança de um amor tranquilo, um porto seguro para noites difíceis, e a certeza de que terá com quem contar.

Fica cada vez mais distante aquela imagem de que ter um relacionamento se resume a caminhar de mãos dadas, e ter uma boca para beijar, ou contar para os amigos que não está sozinho.

Você sente na pele que ter um relacionamento é bem mais do que dizer: Quero estar ao seu lado. — É estar de fato ao lado para quem você faz essas promessas. Você encontra conforto ao dedicar sua lealdade, e encontra forças ao sentir retorno, Os momentos já não são mais tão importantes do que a história como um todo.

E se isso falha, machuca bem mais do que uma desilusão da adolescência.

Pode dizer a si mesmo que não quer ou não precisa de alguém agora, mas seu coração te diz que tem medo de ficar sozinho, e lábios passageiros não mudarão isso.

Com 23, muitos de nós estão terminando suas faculdades, outros ainda começando uma, e há aqueles que não seguiram por esse caminho. Porém praticamente todos passam pelo mesmo questionamento: E agora?

Independente da sua situação a necessidade de se lançar para algo novo ou concreto é inerente. — E agora? — Todos os passos a seguir parecem assustar, muitas das suas escolhas anteriores parecem erradas, e você sempre acha que alguém da sua idade está melhor que você.

Você busca ser positivo, busca não ligar muito pra isso, e seguir da melhor forma possível. Mas então a vida te cobra. Você sente que a pessoa da qual mais deve depender é você mesmo. Ninguém sobrevive de vento, ninguém é ouvido sem conhecer de fato aquilo que sobre o que fala.

Te cobram uma posição. É hora de assumir, ou se esconder.

Os 18 anos parecem bem melhores olhando agora não é.

Mas seria hipocrisia dizer que não há nada de bom. Você ainda tem a força e a determinação da juventude, e mais de mil motivos para não se acomodar naquilo que parece ser o mais fácil. Você não é experiente o bastante, isso lhe faz conhecer coisas novas a cada minuto. Mas sua visão do mundo não se baseia em um senso comum.

Esse vazio instalado no blog nesse último mês reflete o vazio que sentimos nessa fase. Existe muita coisa acontecendo atrás dos palcos. São dúvidas, incertezas, decepções, perdas e mudanças, que no momento parecem grandes demais.

O que sempre tentamos fazer por aqui é trazer um pouco daquilo que gostamos, aprendemos ou gostaríamos de vivenciar. Seja pela arte, a música, o cinema, a fotografia, expressões culturais ou pessoais.

Porém seria difícil, particularmente falando, tentar compartilhar matérias sem que eu estivesse de fato envolvido ou motivado para isso. Espero que não entendam como descaso ou abandono, eu apenas gostaria de fazer algo sincero. Mas a quebra do convívio que tínhamos somado a problemas pessoais deixou tudo mais difícil.

Não está nos meus planos, por ora, aposentar esse canal de informações. No entanto, é provável que muitas mudanças ocorram. Seja como for, uma explicação parecia ser o mais correto no momento.

Eu só tenho a agradecer a todos vocês que estiveram conosco durante esse tempo, e espero continuar com vocês.

 

A gente se vê.
E aquele abraço de sempre.

Desde do inicio a natureza do blog foi a de não se agarrar ou se limitar a algum assunto. Mesmo tendo surgido do interesse inicial pela fotografia, com o passar dos anos conseguimos refletir de alguma forma outros traços de nossos interesses e personalidades. Logo, Faltou Foco se tornou um blog imprevisível e de mudanças constantes, vivendo o sentido literal de seu nome, e acompanhando nosso amadurecimento.

Nos últimos meses o blog focou-se em filmes e séries, abordamos assuntos relacionados a estas categorias com base naquilo que gostamos ou inspirados por nossas impressões sobre algo do momento.

Ao mesmo tempo, a ideia de abandonar outras categorias nunca esteve em nossos planos, apenas estavam distantes no momento. Porém existe sim a preocupação com quem nos acompanha, e sabemos que alguns assuntos são mais atrativos do que outros, e às vezes é justamente aquele tópico que fará com que o leitor volte.

Porém queremos fazer tudo isso com amor e vontade. Desempenhar um trabalho por obrigação não é o nosso foco. Esperamos que possam entender nosso ritmo e curtir cada post do mesmo modo que curtimos fazê-los. Mas saibam que a consideração existe.

E é justamente pela gratidão a vocês que nos acompanham que decidimos apresentar e explicar mudanças que estão por vir, e ideias que têm nos empolgado.

Novos e Velhos Projetos

Rolê Cult

Quem navegar por aqui irá notar que algum tempo atrás passamos a introduzir um pouco mais a cultura em nossos posts. Esse movimento foi trazido pelo Gustavo (Gusta) que chegou como quem não quer nada até entrar de vez para a equipe. Seu trabalho e formação – ele cursa história na USP – nos influenciou de forma positiva.

Juntos pretendemos levantar e oficializar um de seus projetos aqui no blog, o Rolê Cult.

Que não nos limitará apenas a indicar programações culturais, mas poder experimentá-las e vivenciá-las, e trazer essas experiências até vocês. Divulgando cultura, arte e história de uma maneira mais sincera, partindo dos olhos e bocas de quem realmente sentiu antes de indicar.

Em breve o próprio Gusta trará uma apresentação melhor de sua idealização, da qual todos iremos participar.

Música em Foco

Em 2014 dedicamos uma espaço para conhecer e divulgar cantores e bandas independentes ou em início de carreira, foi um momento muito especial para nós, durante as entrevistas ouvimos diferentes histórias sobre o que inspirava cada um deles, conhecemos bons talentos e pessoas muito legais dispostas a embarcar nisso conosco.

Eis que o Música em foco irá voltar. Planejamos um novo formato para o projeto, um aspecto mais dinâmico e mais próximo de cada artista. Nossa caminhada para a realização já iniciou, e em breve vocês poderão saber como participar ou indicar músicos para nós.

Uma pequena amostra tem circulado em nossas redes sociais. Caso ainda não tenha visto, confira aqui.

Postagens

Perfil Equipe do Blog

2017 tem gerado mais compromissos para nós, por consequência acabamos ficando mais ocupados, o que acarretou uma diminuição na frequência de posts. No entanto encontramos uma boa forma de lidar com isso, passando a criar mais matérias em grupo, e para dar o devido crédito a todos, temos agora o perfil de autor Equipe do Blog, que já está ativo e entrou em ação em nossa semana literária.

As postagens individuais continuaram, até porque pretendemos reforçar algumas de nossas características pessoais por aqui. Mas vocês verão posts criados em grupo com uma maior frequência, que aliás é algo que curtimos muito fazer.

Um toque pessoal

Como dito, queremos tornar esse espaço um pouco mais pessoal. Ainda não posso lhes adiantar muitas coisas sobre isso, contudo, a pedido do Felipe voltarei a atualizar a aba Textos & Crônicas. Particularmente gosto de me expressar por estes textos, não faço isso como forma de me passar por escritor ou algo assim, são apenas coisas em minha mente expressas em palavras, e reconheço que tenho um longo caminho a percorrer diante de pessoas que criam este mesmo tipo de conteúdo.

Mas até lá, será meu coração me guiando.

Vou postar alguns textos que tenho guardados, e por abordarem diferentes “assuntos” irei mesclá-los com o passar das semanas.

Esperamos que vocês gostem dessa nova fase que está por vir!
Abraços e até mais.

Update Faltou Foco: Pensamentos

Como assim? Você faz 22 anos e abandona o blog por uma semana? -Calma que não é bem assim (kkkkkkk).

Eu acabei tirando essa semana para planejamento, tanto da minha vida pessoal como dos projetos aqui para o blog. O que acabou envolvendo bastante pesquisa e tempo, e mesmo que ainda não esteja tudo certo achei que nada seria mais justo do que vir aqui e dar um parecer.

Na Sexta-feira dia 8, eu conclui a coleção de textos para #22pros22. De inicio eu já havia separado alguns assuntos para abordar, mas o meu humor e pensamentos decorrentes durante esses dias acabaram tomando conta de tudo, formando um diário de reflexões. Para finalizar essa proposta eu pretendia reunir algumas imagens ligadas aos textos, o que não ocorreu – Ainda.

oncontextmenu=

Ainda na sexta me reencontrei com a minha antiga turma de classe, um reencontro depois de 5 anos da formatura do ensino médio. Foi uma reunião bem simples que serviu para muita coisa. No meu caso, poder lembrar que ainda tenho tempo para fazer planos e não me desesperar tanto caso as coisas não estejam saindo como eu queria, serviu para me mostrar o quanto amadureci para lidar com afrontamentos, e o quanto ainda sou o garoto quieto que gosta de conversar com uma pessoa por vez.

No sábado passei o dia com o Felipe e o Gustavo (equipe), andamos pelo centro da cidade, jogando conversa fora –  Para mim não poderia ter sido melhor. Visitamos a exposição do renomado fotografo Sebastião Salgado, com o nome de Génesis essa exposição conta com 100 maravilhosas imagens divididas por categorias, que nos apresentam paisagens do planeta em sua forma mais pura, ou livre da influencia do homem moderno. A mostra vai até o dia 31/07 no Sesc Campinas, e a entrada é gratuita.

Ainda no caminho  tivemos a experiência de vivenciar o trabalho das Rutes, um coletivo que nos fez reencontrar com o  lugar onde estão guardados nossos sentimentos de liberdade e a paz de um passado tranquilo. – Obrigado.

O dia terminou com um bom café na starbucks, junto de um caderno e uma caneta na mão. Delegamos responsabilidades, criamos tópicos, pensamos longe e perto. Tudo para que esse blog consiga cumprir sua missão na internet: Espalhar um pouco de inspiração por aí, através de temas leves e conteúdos diversificados.

O que eu posso dizer? Eu amo tudo isso.

22 Dias para os meus 22 Anos.

Exatamente hoje eu começo a contagem regressiva para os meus 22 anos.

Em 2014 eu eu criei um projeto aqui no blog intitulado #20pros20, que basicamente concentrava-se em criar um post por dia relacionado ao meu amadurecimento ou anseios por vinte dias até meu aniversário. Porém na Época eu não consegui concluir muito bem (que feio) e alguns dias ficaram simplesmente sem posts.

Eis que nesse ano resolvi ser teimoso e retomar o projeto, agora #22pros22. Com uma pegada diferente, compartilhando com vocês alguns pensamentos pessoais, historias e confissões. Uma homenagem aos blogs diários talvez… Aqueles em que uma hora ou outra alguém se identifica.

Consegui?

Um dos posts de 2014 foram sobre 20 coisas que eu esperava alcançar dali em diante. E relendo esta lista eu obtive um estado de nostalgia, junto com uma crise de risos. É estranho ver como minha mente mudou em 2 anos. Mas também é legal saber que alcancei algumas coisas.

A lista:

  1. Pintar o cabelo de Azul. Eu pintei, mas na verdade não ficou azul, e sim roxo. Eu lavava o cabelo todo dia para tirar aquela cor do meus cabelos. Eles ficaram cinza e depois branco. Mas isso já é uma outra historia.
  2. Viajar sozinho para algum lugar que eu não conheça. Foi para uma cidade próxima, a uma hora de onde um moro, foi mais uma visita do que uma viagem.
  3. Assistir a um show do Foster the People. Ainda não rolou.
  4. Comprar uma casa ou apê. Mais uns anos amigo…
  5. Estudar fotografia. Internet não conta.
  6. Começar a malhar. Não sou capaz de opinar.
  7. Aprender a tocar piano. Comecei, mas parei. Droga!
  8. Aprender a tocar violão. Meio que desisti?…
  9. Estudar Veterinária. Ser veterinário ou então trabalhar em uma área que me possibilitasse cuidar de animais sempre foi um sonho. Tentei entrar diversas vezes na faculdade mas sempre era barrado por alguns pontos, ou falta de grana mesmo. Hoje em dia eu já penso mais em Arquitetura, Design, Fotografia ou Publicidade. Mas Medicina Veterinária sempre será a primeira opção.
  10. Trabalhar ou estagiar em um zool. (…)
  11. Fazer uma viagem longa com amigos. Eu fiz uma viagem, mas não foi longa.
  12. Andar na maior montanha-russa do mundo. Mais alguns anos amigo…
  13. Aprender novos idiomas. Graças ao Duolingo  eu já sou 50% fluente em espanhol (HAHA). Mas eu pretendo investir em algum curso mais para frente.
  14. Adotar um animal exótico. Nem sei no que eu estava pensando…
  15. Praticar algum esporte. HAHA’ amo meu otimismo.
  16. Ver o nascer do Sol de cima de um prédio/montanha. Algo possível…
  17. Ajudar uma instituição de caridade. Ainda quero e muito. Já pratiquei algum tipo de doação. Mas nada se compara a estar de fato envolvido.
  18. Fazer um boneco de neve. Era no Brasil isso?
  19. Começar alguma coleção. Defina Coleção… Porque tenho várias.
  20. Fazer este Blog crescer. ❤

Abraços!

Foto: Chancema

De uma forma o outra tirar fotos sempre fez parte da minha vida.

Na minha infância,  quando minha mãe dizia que faltavam poucos filmes na câmera e que precisam ser completados logo para que todos os outros pudessem ser revelados, minha felicidade atingia seu auge. Eu saía correndo tirando fotos dos meus cachorros, dos amigos na rua, das minhas caretas e até mesmo da minha garganta… Acabava ficando sem criatividade depois de um tempo.

Então chegou a conturbada adolescência. E em meio a tantos altos e baixos um telefone celular com câmera era o que garantia meus momentos de descontração.  O celular evoluiu para uma câmera digital e os amigos eram outros, mais dispostos a embarcar comigo em uma tarde de fotos criativas pelo bairro. E foi assim por um longo tempo.

Aos 17 anos eu já havia me formado no ensino médio. Quisera eu que fosse esse o único acontecimento significativo na época, mas não foi. Inúmeras coisas se verteram em ruínas ao meu redor, me levando a um isolamento pelo qual pago até hoje.

Contudo, algo bom surgiu no meio de tudo isso. – Ressurgiu para ser exato. – Eu costumava passar horas na internet, e foi através dela que eu passei a enxergar a fotografia de um modo diferente, algo que eu queria não apenas fazer, mas também aprender.

O brilho do sol entre as lentes. Uma grande cidade vista do alto, repleta de pequenas luzes circulares. Imagens estáticas que pareciam correr a toda velocidade. Um nevoeiro, uma neblina, uma montanha. Um sentimento em imagem. – Tudo isso me inspirava.

Anos depois ganhei uma Canon PowerShot de presente da minha mãe, pequena perto das grandes câmeras por aí, mas grande o bastante para me fazer voar.