Resultado de Pesquisa

Oi internet, tudo bem?

Dando continuidade ao nosso clima obscuro deste mês, trazemos para vocês mais um dos nossos guias para o desafio cinematográfico. Dessa vez recheado de mistério no item Thrillers adolescentes.

Filmes adolescentes existem aos montes; bons ou ruins, longas ou curtas, simples ou complexos. Desde “Curtindo a vida adoidado”, Hollywood tomou muito interesse pelos conflitos típicos da adolescência rendendo ótimos filmes, como o já citado. Porém desta vez nos focamos nos adolescentes que, além dos conflitos típicos tem de lidar com muita coisa que, em tese, é para adultos.

Aliens, super poderes indesejados, homicídios, governos autoritários todo o tipo de coisa torna a vida deste jovens mais complicada e mais intrigante para a platéia. Thrillers adolescentes são muito versáteis e muitos dos conflitos são intimamente ligados a idade em questão, por isso são ainda mais assustadores quando colocados na tela.

Os thrillers tem essa capacidade de atrair também os fãs de suspense e inclusive muitos dos temas aparecem em ambos os gêneros. A diferença de thriller para suspense, entretanto,  está na carregada carga de cenas de ação, além da construção de plots. O thriller pode assumir também um caráter psicológico. O suspense, por sua vez, foca mais em prender a atenção por meio da curiosidade, e na maior parte das vezes tem um ritmo mais lento.

E essas são nossas indicações

Paranoia (D.J. Caruso, 2007)

Este é o filme que equilibra perfeitamente thriller e suspense, indo na fronteira dos dois gêneros. A história gira em torno do garoto Kale (Shia Labeouf) que é condenado a prisão domiciliar por um tempo determinado. É verão e ele está preso em casa, como consequência, acaba espiando os vizinhos com um par de binóculos. Ele vê a bonita vizinha que acaba de chegar no bairro, mas acaba também espiando muito mais do que esperava quando ele acredita ver um dos seus vizinhos cometendo um assassinato. Quando isso ocorre o filme nos leva a uma espiral de loucura enquanto Kale tenta provar o assassinato que supostamente viu.

O filme conta com umas das melhores interpretações de Shia Labeouf e é repleto de momentos arrepiantes, logo ali na iminência do susto, o diretor D. J. Caruso soube deixar o espectador nervoso, por bons motivos. Pelas referências e pela atmosfera do filme é perfeito para os fãs de Hitchcock e os que gostam de filmes antigos de detetive.

 

Poder sem Limites (Josh Trank, 2012)

Em seu longa de estréia, Josh Trank revolucionou o gênero de thrillers adolescentes aumentando as expectativas, a qualidade e trazendo novas histórias e fronteiras, ao usar uma forma diferente e original — o found footage — de contar a história. Os improváveis amigos Andrew (Dane DeHaan), Steve (Michael B. Jordan) e Matt (Alex Russell), que poderiam ser qualquer garoto normal, encontram um segredo escondido que os dá super poderes como voar, telepatia e outras coisas. Porém, as coisas tendem a desandar quando Andrew começa a usar seus poderes como forma resolver seus problemas pessoais.

Tal sinopse tão simples esconde uma genialidade na atuação por parte de Dane DeHaan, que o alavancou a uma carreira grande em Hollywood, mas também a forma como os garotos tem suas personalidades desenvolvidas é muito bem coordenada por Trank, que a todo momento entrelaça isso ao derradeiro final. Podemos dizer que, de certa forma, Trank “em uma tacada só” inovou os thrillers adolescentes e os filmes de super herói, e o fez como uma fotografia e uma noção do uso dos efeitos impecável.

 

Carrie, a estranha. (Kimberly Peirce, 2013)

Carrie é a garota estranha da classe, filha de uma mãe extremamente rígida e religiosa. Não é permitido que ela conheça seu próprio corpo e ela é obrigada a aguentar longos períodos trancada no armário, como medida punitiva. Mas de uma coisa ninguém sabe, a garota tem telecinese, ou seja, ela é capaz de mover objetos com sua mente. Neste cenário, ela se torna alvo de uma brincadeira cruel, que com certeza não acaba bem.

(Brian De Palma, 1976)

A história de Stephen King e da garota envergonhada, porem super poderosa já é parte da cultura dos filmes de terror. King soube como ninguém enrolar temas do suspense e temas adolescentes tão bem. A Carrie (mais recentemente interpretada por Chloe Grace Moretz)  incorpora uma série de angústias adolescentes, que eventualmente explodem. O filme de 2013 atualiza a história para as plateias mais modernas, trazendo inclusive novas discussões tão em voga atualmente, mas também o original de 1976 não pode ser ignorado.

 

Boy 7 (Lourens Blok, 2015)

O filme se baseia em um romance “Young Adult” europeu que aparentemente foi um best seller, por aqui não podemos encontrar nem tradução. Sam (o boy7 do título) acorda no metro sem nenhuma memória do que aconteceu,e com uma garota ao seu lado que também parece estar na mesma situação. A partir daí, os dois se unem para compreender o mundo em que vivem e como eles estão conectados a um enorme plano que envolve traição, controle e oficiais do alto escalão de um governo despótico e autoritário.

(Existe uma outra versão do filme, curiosamente lançada no mesmo ano)

O filme, por ser europeu, tem uma estrutura muito diferente do que se encontra em muitos dos outros filmes aqui neste guia. Desde a forma de contar a história até cenários e características de alguns personagens, porém não deixa de ser um filme ótimo para fãs de distopias, em especial aquelas voltadas ao público Young Adult, como Jogos Vorazes. Boy 7 equilibra bem a trama política, as próprias indagações do protagonista e trama romântica, se tornando uma ótima opção.

 

Na toca do Tigre (Tom Daley, 2015)

Esse thriller mescla a ação esperada com um toque psicológico por sua tensão constante no ar, e  desconfiança que gera nos telespectadores e na protagonista. Aqui temos Kelly (Kaya Scodelario), uma ginasta afastada por lesão, que possui o romântico habito de fugir para casa de seu namorado a noite, sem que ninguém saiba.

No entanto, em uma noite fatídica a casa de seu namorado é invadida por aparente assaltantes, de sangue frio. Kelly possui a sorte de não ser notada, e com isso precisa arranjar meios de salvar sua vida e talvez a dos outros também, em meio a uma verdadeira caça dentro de casa.

 

I am not  a serial killer (Billy O’Brien, 2016)

“Eu não sou um serial killer” é a historia do garoto John Cleaver (Max Records), além dos conflitos da sua idade, que envolvem conflitos na escola, John é um sociopata diagnosticado. Ele vive sob rígido auto controle, regras para que não deixe escapar o monstro que vive dentro de si. Porém, ele é forçado a perder o controle quando assassinatos dignos de um serial killer começam a acontecer na sua cidade. O garoto precisa liberar sua escuridão interior.

Eu confesso que não vi este filme, e só o descobri a pouco tempo, mas desde a sua ideia inicial, ou seja, a de que o monstro não esta do lado de fora, e sim de dentro, o filme me pareceu interessante. Por aí, John encarna os problemas de sua idade carregando-os para uma escuridão sem fim. A produção Anglo-Irlandesa se destaca pelo seu visual sombrio, aterrado em neve que parece sufocar e a todo momento pressionar seu protagonista. Vemos, só pelo trailer, o semblante pesado do jovem Max Records (Onde vivem os monstros) que tem sobre seus ombros o peso dessa escuridão.

A quinta onda (J. Blakeson, 2016)

Em “A quinta onda” os aliens chegaram, porém não vieram em paz. Eles, “os outros”, querem destruir a Terra, com um plano para exterminar os humanos. Quando encontramos a protagonista Cassie (Chloe Grace Moretz) ela e os outros humanos se preparam para a quinta onda, após o desligamento de todos os eletrônicos, uma série de terremotos e cataclismas, uma epidemia incontrolável de vírus da gripe modificado pelos Outros. A partir dai, Cassie é separada de seu pai e seu irmão mais novo e forçada a acha-lo para ao menos se proteger do que pode vir.

“A Quinta Onda” é esperto ao não se comparar a outros filmes apocalípticos nos quais o protagonista quer salvar o mundo, Cassie somente deseja salvar seu irmão, porém a todo momento ela se vê em situações de vida ou morte quando percebe que Os Outros estão mais próximos do que imagina. A propria Chloe Moretz inclusive é um dos grandes trunfos do filme, a menina atua e leva todo o elenco a outros níveis. Ótima combinação do Thriller adolescente com filmes apocalípticos.

 

A Babá (McG, 2017 – Netflix)

Com certeza “A babá” foi uma das melhores subversões deste gênero que vi este ano. A história da relação do garoto Cole (Judah Lewis) que apesar de ter 12 anos ainda tem uma babá, Bee (Samara Weaving), é virada de ponta cabeça quando o garoto decide ficar acordado ate mais tarde. Ele encontra a babá e um grupo de adolescentes  ( Hana Mae LeeAndrew Bacharel, Bella Thorne e Robbie Amell ) realizando o que parece ser um ritual satânico e não demora muito para Cole perceber que ele é parte do ritual. Quem optar por este filme fique avisado: não é um filme para ser levado a sério.

Assim como no seu clássico moderno, As panteras, o diretor McG recheou este filme de ironias e humor negro, a todo momento ele brinca com estereótipos tão característicos do gênero de suspense, como os típicos adolescentes, que aqui de vítimas, se tornam caçadores. O jovem Cole aparece como herói inusitado, envolvido em circunstancias estranhas e provocando um final surreal, o filme diverte sem o menor compromisso com a verossimilhança. Ainda resta falar da belíssima fotografia que sustenta a atmosfera que tudo ali muito bem poderia ser o sonho surreal de um pré adolescente.

 

iBoy (Adam Randall, 2017)

A trama de iBoy se desenvolve a partir de um ponto chave que entrega ao protagonista um elemento a mais para o seu desenvolvimento. Após ser baleado enquanto, por meio de um celular, buscava pedir ajuda para socorrer sua amiga Lucy (Maisie Williams), Tom (Bill Milner) passa por uma difícil recuperação, e precisa lidar com a informação de que fragmentos de seu smartphone ficaram instalados em sua mente.

É quando então, Tom começa a notar a capacidade de usar sua mente como um poderoso computador, capaz de hackear praticamente toda tecnologia a sua volta. Ele se agarra a esse artificio para se vingar da gangue que atacou a família da garota que ele ama. Isso o leva a descobrir um grande esquema criminoso local, ao mesmo tempo que Lucy se vê encantada por sua identidade secreta.

 

Death Note (Adam Wingard, 2017)

Esse item dispensa apresentações para muitos. Death Note é um consagrado mangá de Tsugumi Ohba, que em 2017 ganhou sua versão ocidentalizada para a Netflix, e nós ja falamos dessa versão aqui. Esta nova versão é inevitavelmente colocada como thriller adolescente, porém o toque interessante aqui esta nos elementos que são herdados da trama original vinda dos mangás.

Dentre outras coisas, os questionamentos sobre a moralidade e as escolhas de Light (Nat Wolff), o garoto que encontra o poderoso livro, permitem que o espectador acostumado a dualidade bem e mal reveja alguns conceitos, aqui nos estamos diante de uma oposição entre duas ideias. A de Light que acredita que o mal deve ser punido e a de L (Keith Stanfield) que acredita que o “Vingador ou Justiceiro” (na história chamado de Kira) é tão mal quanto os homens que persegue.


Espero que vocês tenham gostado! Não deixe de nos indicar mais filmes do gênero caso conheçam algum.

A pequena cidade de San Diego anualmente passa por uma avalanche chamada San Diego Comic Con. Durante 4 dias os olhos de todos os interessados por cultura pop se voltam para lá, uma vez que as grandes de todos os ramos, quadrinhos, cinema, jogos e até literatura se unem em um evento único, com gigantesca participação popular e uma infinidade de cosplayers, os fãs que personificam seus ídolos fictícios.

Isto é a SDCC, que começou há muitos anos como uma reunião de quadrinistas talentosos para compartilhar seus trabalhos, logo chamou a atenção de gigantes do ramo como a Marvel e D.C. que em pouco tempo viram ali um celeiro para encontrar novos talentos e divulgar seus aguardadissimos novos trabalhos. Daí pra um evento mundial e capaz de agregar fãs de tudo quanto é coisa, que incorpora como nenhum outro a internet , foi um pulo.

Como era de se esperar as ondas da SDCC chegam ao Brasil, com revelações, anúncios e todo o tipo de coisa para enlouquecer os fãs brasileiros. Nós não passamos longe disso, e como forma de celebrar o maior evento de cultura Nerd decidimos trazer alguns dos anúncios que mais nos empolgaram e nos deixaram na ponta das cadeiras, vibrando por mais. Não buscamos uma cobertura completa, até porque isso seria impossível por não estarmos lá, mas sim começar uma conversa sobre alguns dos anúncios que mais nos motivaram e os quais provavelmente voltaremos a falar por aqui.

Marvel – Thor: Ragnarok, Pantera Negra e Vingadores: Guerra Infinita

O que ditou a vez no painel da Marvel são as grandes estreias que a produtora promete para o restante deste ano e o ano que vem, como os fãs já tem anotado nas suas agendas. Entre euforia dos fãs ávidos por novidades, brindes e presenças ilustres de celebridades, a produtora e gigante multimídia soltou novos trailers, pôsters e imagens promocionais.

Thor: Ragnarok

Primeiro Thor: Ragnarok. Se aproxima a queda de Asgard pelas mãos da Deus Hela, rainha do submundo na mitologia nórdica e também na mitologia da Marvel. Esse apocalipse levará Thor por diversos mundos, inclusive encontrando alguns rostos conhecidos.

O incrível pôster foi divulgado junto com um novo trailer para a aventura que chega aos cinemas em 26 de outubro deste ano. Ambos trazer uma estética muito colorida, e ação impactante mas que está longe de ser agressiva. Os cenários são muito estilizados e de certa forma começa a se juntar a outra produção famosa do Universo Cinematográfico da Marvel, os Guardiões da Galáxia.

Pantera Negra

Para O Pantera Negra, já vimos há algumas semanas atrás um impactante novo trailer, que trás a força por trás da nação de Wakanda governada pelo príncipe T´Challa, conhecido pelo mundo como Pantera Negra. A nova imagem vem para confirmar e empolgar mais ainda sobre o que veremos no filme, parece que o espectador será levado a explorar o país e conhecer melhor a nação que se encontra sobre uma mina de Vibranium. Ao que tudo indica a estabilidade de Wakanda será ameaçado por um inimigo já conhecido dos fãs do MCU. Pantera Negra estréia em 15 de fevereiro de 2018.

Vingadores: Guerra Infinita

A impactante conclusão de todos os esforços da Marvel para a fase 3 do seu universo cinematográfico começou a se desenrolar com a liberação deste poster (dividido em 3 partes). Nesta história o titã Thanos volta seus olhos para a Terra, que concentra um grande número de seres especiais e as chamadas Jóias do Infinito (pedras preciosas que dão imenso poder a quem as possuir). Isto provocará novamente a união dos maiores heróis da Terra a quem irão se juntar alguns não tão terráqueos assim como podemos ver pelo poster 😉 .

Dizem por ai, que a Marvel também mostrou um pequeno teaser para os sortudos que estiveram no hall H neste sábado de Comic Con. Eu particularmente, com teaser ou sem teaser estou muito empolgado para esta reunião e para ver como esta história que começou la em 2012 irá se desenrolar. Nos cinemas em 26 de abril de 2018.

Nova temporada para Stranger Things Doctor Who e Westworld

Stranger Things – Segunda Temporada

Já havia sido mencionado pelos Irmãos Duffer que a nova temporada de Stranger Things carregaria aspectos mais sombrios, e agora com o trailer podemos imaginar como isso funcionará na prática.

Vemos que Will permanece conectado ao mundo invertido mesmo depois de seu resgate, o garoto parece entrar em transes constantes que o levam de volta para outra dimensão com o seu corpo presente em sua realidade. O trailer também nos da uma visão onde Eleven está. É mais do que provável que sua presença continuará sendo fundamental para a série. Assim como a união dos personagens em busca de solucionar algo maior, como na temporada anterior.

O trabalho de ambientação da série continua fantástico pelo jeito, ‒ já que a série se passa em meio aos anos 80 e pelo trailer é possível coletar inúmeras referências da época ‒ com a arquitetura americana, os locais frequentados, os figurinos e claro a trilha sonora, que destacou Thriller de Michael Jackson.

A segunda temporada está marcada para chegar à Netflix no dia 27 de Outubro, próximo ao Halloween. E nossas expectativas estão bem altas.

Doctor Who: Especial de Natal

No domingo, último dia da corrida que é a SDCC, ocorreu o painel da quinquagenária série britânica Doctor Who. Para os que não conhecem a figura central da série é o Doctor (Doutor) um alien do planeta Gallifrey, o último dos seus habitantes, que viaja pelo Tempo e pelo Espaço em uma nave maior por dentro, sempre com uma companhia.

Agora, a série que estreou em 1963 e vem desde então constante se renovando, se prepara para entrar uma nova fase. O protagonista da série é capaz de se regenerar de tempos em tempos, desta forma, 12 (13 contando outros momentos que não a série oficial) atores já encarnaram o Doutor, e agora com a volta da série para um especial de Natal, uma grande novidade foi anunciada: pela primeira vez uma mulher assumirá o papel.

Para os já curiosos a série volta no dia 24 de dezembro, mas já foi liberado o título do episódio (“Twice upon a time”, uma referência ao original do era uma vez “once upon a time”) e também um trailer que mostra o atual doutor se encontrando com sua versão original, por um alguma anomalia no tempo. O episódio tem tudo para se tornar um ponto histórico dentro da série, e eu nunca estive tão ansioso para a chegada do natal.

Westworld

O novo mamute da HBO chegou com tudo na SDCC. A série fez um primeiro ano surpreendente e já arrebatou uma legião digna dos seguidores de outro mamute da emissora, Game of Thrones. Para os que não conhecem, Westworld reconta o filme de Michael Crichton de 1973, que fala sobre um parque hiperrealista onde as pessoas pode assumir papeis numa história de cowboys vivida por robôs, que começam a apresentar um comportamento estranho e capaz de fugir do controle.*

A série atual escrita por Jonathan Nolan deixou os fãs loucos por uma conclusão em seu último episódio, e agora em 2018 estreia a sua segunda temporada. Além do trailer capaz de empolgar qualquer um, a HBO também levou para a SDCC a chamada Westworld experience, que trouxe os fãs para mais perto deste mundo.

(*só pedimos atenção pois o trailer desta série contém algum conteúdo de violência e sangue.)

E por fim…

Jogador Número 1

Esta é uma adaptação esperada por muitos. A maior obra de Ernest Cline já havia sido anunciada com direitos de filmagem comprados, contando com Steven Spielberg na direção, já faz um bom tempo. Mas finalmente tivemos imagens de algumas cenas do filme, que parece ser eletrizante, e chega aos cinemas em 2018.

Jogador número 1 é um livro repleto de referências da cultura pop e games dos anos 80, que ocorrem justamente por seu enredo. E logo no trailer é possível ver algumas dessas menções em meio às cenas. No entanto, a primeira vista, a adaptação parece ter ganhado muito mais energia e ação do a história do livro, que não deixa boa.

Para quem não conhece, jogador número 1 acompanha a vida de Wade Watts, um jovem que vive em um futuro onde a terra alcançou o ápice da desigualdade e da pobreza. Em busca de uma visão melhor de suas próprias vidas, pessoas por toda parte se conectam ao Oásis, uma espécie de console que lhes garante uma realidade simulada onde podem ser o que quiser. Após a morte do grande idealizador deste universo, James Halliday, uma grande caça ao tesouro é iniciada. Como prêmio o vencedor irá adquirir toda herança de Haliday, incluindo o domínio deste universo virtual. A disputa e a busca pelos easter eggs escondidos chama a atenção não só de jogadores comuns, mas também de pessoas que passam a viver por isso, além de uma gananciosa organização.

Em breve falaremos mais sobre aqui no blog.

Conta pra gente?

Queremos saber de você quais destes ou outros anúncios do fim de semana lhe empolgaram, e o que vocês esperam deles!

Abraços da Equipe 😀

 

Não há mais dúvida, o mundo evoluiu muito nos últimos anos. Muitas coisas mudaram, e até mesmo a leitura não escapou dessa modificação. Hoje em dia temos uma facilidade imensa quanto o acesso de informações, tudo de forma rápida, na palma das mãos. E por muitas vezes a comodidade tem falado mais alto, e ganhado espaço por aí.

O surgimento dos livros digitais desencadeou diversos fatores que os tornam cada vez mais atrativos, no entanto ainda existe uma certa resistência da parte de alguns, que não trocariam por nada o cheiro da folha de um livros recém comprado.

Mas afinal, vale a pena investir em ebooks? Bom, esperamos que vocês nos contem após ler este post.

AS VANTAGENS DE SER UM EBOOK

Nossas opiniões se dividem um pouco quando falamos de sobre livros virtuais. O livro em forma de arquivo de texto traz suas vantagens. Uma vez que você pode incerir-lo facilmente em uma tela de computador, um tablet, um e-reader, ou até mesmo um celular, reduzindo espaços de armazenamento (de bagagem) e acomodando quem tem dificuldade para achar uma boa postura para ler quando está cansado.

Além disso, os aplicativos e leitores digitais, tendem a trazer cada vez mais recursos que proporcionam ao leitor uma experiência ampliada, com dicionários de auxílio, marcações de texto, controle de cor e iluminação da tela, ajuste do tamanho das letras e compartilhamento de progresso.

O fator preço pode variar um pouco, já que alguns livros aparecem nas bancas com valores de 10% a 20% comparados aos físicos, enquanto outros despencam em promoções inacreditáveis.

Porém a adaptação não é natural para todos. De início a tecnologia pode distrair, assim como o tamanho em que o texto é apresentado às vezes pode causar uma sensação de infinidade e exaustão.

VOLTA AO MUNDO EM 3 E-READER

O mercado de dispositivos próprios para leitura destes arquivos vem crescendo cada vez mais. Na verdade as marcas não tem poupado recursos para atrair os consumidores cada vez mais.Atualmente no, Brasil, três produtos se destacam – Kobo, Lev e Kindle – cada um com sua própria peculiaridade.

KOBO

O aparelho ganha um grande apoio da livraria cultura – seu comercializante principal – e traz preços que podem variar entre R$ 300 à R$ 800 dependendo de cada modelo, que podem inclusive apresentar resistência a água. Kobo garante uma memória interna capaz de armazenar até 3 mil livros – mais uma memória externa – e uma bateria que promete durar até 2 meses sem recarga. Além disso, também permitem aos usuários o uso de um app para leitura de seus livros em outros dispositivos.

LEV

Pertencente a Livraria Saraiva, é um aparelho que busca conquistar seus usuários por lhes oferecer até 10 e-books e mais 4 best sellers para serem baixados gratuitamente. Sua memória comporta até 4 mil livros. O dispositivo também conta com Wi-fi embutido, e diversos modelos com variação de a iluminação e ajustes, podendo ser encontrado a partir de R$ 300.

KINDLE

Acreditamos que o Kindle seja o mais conhecido desta lista. Ele se popularizou por trazer a tecnologia que oferece ao usuário uma leitura sem reflexos na tela, e uma imagem que imita uma folha de papel – que também foi adquirida pelas outras marcas. O produto da amazon também promete uma bateria durável, apoio ao vocabulário do usuário, uma loja com preços baixos, praticidade para conduzi-lo e uma grande leva de modelos – Kindle, Kindle Paperwhite, Kindle Voyage e Kindle Oasis – que podem apresentar conectividade wi-fi ou até 3g. Com preços variando entre R$300 á R$1.400.

E-BOOKS DE GRAÇA? ATÉ NA TESTA!

Alguns sites e empresas disponibilizam materiais gratuitos em seus catálogos, neles você encontra desde obras clássicas até histórias de autores pequenos, de obras completas até amostras – que servem como um ótimo guia para quem fica indeciso antes de comprar uma história. De qualquer forma acaba sendo um ótimo incentivo à leitura, ao conhecimento de coisas novas, e para alguns, uma forma de experimentar outras formas de leitura.

Por isso separei para vocês alguns links onde esses arquivos podem ser baixados de forma segura, legal e gratuita. Confira:

AMAZON

Na amazon, o nome do jogo é diversidade. A sessão de ebooks gratuitos conta com títulos que vão de lançamentos de autores menos conhecidos, a sessão de contos, a grandes clássicos da literatura, inclusive uma larga sesssão de livros em inglês disponíveis para qualquer um. Se você gosta de ebooks, é bom antes de desembolsar algum dinheiro uma passada pela sessão gratuita. Outras vantagens estão no “Kindle unlimited” uma espécie de assinatura de ebooks (que vem com 30 dias gratuitos). E uma das grandes vantagens da empresa é a possibilidade de dispensar os e-readers. Ao baixar o app do Kindle, voce pode ler em qualquer dispositivo com muitas das vantagens do próprio reader.

DARKSIDE

A editora – que vamos tratar em detalhes em breve – disponibilizou 3 ebooks para download gratuito que qualquer um pode fazer e ler a vontade. As obras em nada devem para os títulos pagos da editora, uma vez que contam com uma bela arte gráfica. Os freebooks são a coletânea de poemas de Augusto dos Anjos, uma bela e completa edição de “O corvo de Edgar Allan Poe e um conto de Bram Stoker.

Vale a pena clicar e conferir!

PLAY LIVROS

A loja gratuita de livros da Google provavelmente beira o infinito, existe uma enorme quantia de títulos mas em uma passada rápida já é possível perceber que o que domina são romances, que muita gente chama de livro de banca, porém se não é que você curte, é  possível encontrar muitos clássicos bons, muitos livros técnicos e outros autores novos da literatura brasileira.

LIVRARIA CULTURA

Na livraria cultura dominam em absoluto edições de clássicos e livros técnicos. Há títulos interessantes em português e inglês, é uma das menores, porém os bons títulos estão por lá. Legal destacar alguns livros de culinária, clássicos menos conhecidos que podem gerar receio em leitores eventuais e coletâneas de poemas. Particularmente, uma das lojas que mais gostei. (Gusta)

Seja como for, o que importa é a leitura, e a forma como você passa a ter acesso a ela – por livros físicos ou digitais –  não o impediram de viver uma grande historia por meio das palavras.

Abraços! E até mais.

Jorge Luis Borges, renomado autor de ficção argentino, em um de seus contos fala de um ponto do espaço que abarca toda a realidade do universo, esse ponto é chamado de O Aleph.

Se o seu coração tem espírito aventureiro, é amante de cenários futurísticos, de explorar outros mundos e ir além das possibilidades do agora, é muito provável que se apaixone (se ainda não se apaixonou) pela Aleph. A Editora Aleph nasce em 1984 e tem na sua “personalidade” a proposta de  apresentar da forma mais completa o possível o mundo (ou os mundos) da ficção científica.

Atualmente eles tem se focado em trazer os maiores clássicos de hoje e ontem. Autores como Isaac Asimov, Philip K. Dick, Ursula LeGuin, Anthony Burgess e outros nomes recheiam a sessão de clássicos do catálogo da editora. É por aí que podemos conhecer as bases de tudo que vemos atualmente sendo produzido na ficção (e também fora dela).

Quando você quer saber de lançamentos de livros da saga Star Wars com certeza a editora Aleph vai estar no mecanismo de busca, a editora é responsável por lançar a Saga Canon e os títulos LegendsLogo após a compra do Universo Star Wars pela Disney, tudo o que estava fora dos filmes e da série animada foi considerado legends, lendas que podem ou não ter acontecido.

Existe também uma sessão de não ficção voltada ao auto- melhoramento e a aprendizagem, porém é impossível não destacar a biografia de Philip K. Dick, “Eu estou vivo e vocês estão mortos” lançada no ano passado.

A Aleph também tem uma forte presença nas redes sociais conversando com seu público através do Facebook, Twitter, Youtube. No youtube, a editora mantem um programa onde membros da equipe discutem todo conteúdo do mundo da ficção e falam dos seu livros preferido. E pelo Facebook, ela organiza a Feira Intergaláctica, que acontece no próprio prédio da editora.

Além tudo isso, a Aleph também tem uma ideia muito bacana se você quer renovar a cara da tua estante de livros, caso você tenha algum titulo da editora lançado há muito tempo, você troca esse por um desconto na compra do mesmo livro e a sua edição é doada para uma biblioteca publica.

NOSSAS RECOMENDAÇÕES: DESEJADOS E AMADOS

Talvez tenhamos nos empolgado um pouco dentro do catalogo da editora, porém todas as indicações são de coração ❤ :

EU, ROBO – Isaac Asimov, 320 páginas: A obra foi publicada pela primeira vez em 1950, e é na verdade um conjunto de 9 contos que viajam entre as trincheiras do mundo da robótica. O trabalho de Isaac Asimov acabou desempenhar um papel importante para o desenvolvimento do conceito de inteligência artificial, levantando várias pautas. Neste livro somos apresentados as 3 leis da robótica, que visam criar uma linha de segurança entre as máquinas e os homens, e como essa correlação afeta a vida dos elementos envolvidos. Os contos também trazem reflexões sobre a existência, ética, amizade e fé.

TROPAS ESTELARES, Heinlein, 352 páginas: Em um romance cercado de controvérsias, Heinlein conta a história de Johhny Rico, um membro da infantaria móvel designado para lutar em uma guerra contra insetos gigantes (chamados de aracnídeos) sobre os quais pouco se sabe, porém desejam destruí-los. Heinlein não se intimida ao passar por um conjunto de debates de cunho filosófico, criando uma atmosfera militarista hiper tecnológica, que não esconde uma clara metáfora sobre a nossa sociedade moderna.

NÓS, Zamiátin, 344 páginas: Distopia significa lugar ruim, geralmente uma sociedade opressora e uma busca por libertação. Muito da responsabilidade sobre este conceito recai sobre o romance de IEVGUÊNI ZAMIÁTIN, quando ele narra o encontro de D-503 com um grupo rebelde “ao Benfeitor” o grande líder dessa sociedade. Sim, os membros dessa sociedade não tem nomes e sim são designados por números.

O PLANETA DOS MACACOS, Pierre Boulle, 216 páginas: O clássico francês escrito em 1963 por Pierre Boulle, ganhou o coração e a mente de muitas pessoas, e até hoje possui uma franquia de adaptações inspiradas na obra original. O livro conta a jornada do jornalista Ulysse Mérou, rumo a uma expedição espacial comandada pelo professor Antelle, junto a um jovem físico, Arthur levain, e um chimpanzé. Ao encontrarem um sistema que orbita a grande estrela Betelgeuse, os viajantes pousam em um planeta semelhante a terra. Porém com um contraste gritante: Alí os homens são como animais selvagens, e os macacos construíram uma civilização. Pierre consegue em sua obra levantar reflexões sobre o comportamento do homem perante a natureza, com a inversão de papéis.

REALIDADES ADAPTADAS, Philip K. Dick, 304 páginas: O cinema ama a obra de Philip K. Dick, muitos dos seus romances e contos foram adaptados em diversas épocas. A Aleph conhece a abrangência e a importância deste autor e por isso preparou uma coletânea de sete contos do autor que chegaram às telas do cinema em filmes de igual importância. São eles: Lembramos para você a preço de atacado, Segunda variedade, Impostor, O Relatório Minoritário, O pagamento, O homem dourado e Equipe de ajuste. É obrigatório tanto para fãs, quanto para aqueles que desejam começar a conhecer a obra do autor.

EU SOU A LENDA, Richard Matheson, 384 páginas: O livro já foi adaptado para as telonas três vezes sendo a mais recente em 2007 com Will Smith no papel de Robert Neville, o último homem vivo lutando com as criaturas que a humanidade se tornou depois de serem assoladas por uma praga.

A MÃO ESQUERDA DA ESCURIDÃO, Ursula K. LeGuin, 296 páginas: LeGuin introduz o leitor em uma espécie de estudo antropológico aos habitantes do planeta Gethen, seres sem sexo definido até o momento da procriação quando escolhem seu gênero. O narrador deste romance é Genly Ai, um emissário da Terra, responsável por convencer estes seres a se juntarem a uma Federação Interplanetária. Está aberta a porta para que a autora nos leve por este mundo em seus mínimos detalhes.

CORAÇÃO DE AÇO, Brandon Sanderson, 376 páginas: Essa distopia é o primeiro volume da série Executores que traz para o leitor um cenário cheio de “padrões invertidos” e muita ação. Coração de Aço apresenta um mundo onde pessoas de diferentes origens são agraciadas com superpoderes, porém a falta de controle sobre tais os tornam super-vilões frios e cruéis. Longe de uma perspectiva daqueles que tornam-se submissos temendo a morte, um grupo chamado Executores se une na esperança de encontrar a fraqueza dos nomeados Épicos, e derrotá-los um por um.

DUNA, Frank Herbert, 544 páginas: O livro, escrito por de Frank Hebert em 1965, na verdade é mais um da lista de grandes clássicos da Editora Aleph, e é o primeiro volume de uma série Crônicas chamada Duna. Neste volume dentro do gênero de space opera, acompanhamos Paul Atreides,  um jovem que está deixando seu planeta para ir viver na árida Arrakis, onde ele descobrirá a necessidade de exercer seu papel como herdeiro prometido para uma grandiosa profecia. A obra se destacou em sua época por expandir os conceitos de ficção científica, trazendo novos elementos para dentro do gênero.

A MAQUINA DIFERENCIAL, Willian Gibson; Bruce Sterling, 456 páginas: Se você tem um mínimo interesse pelo gênero Steampunk você precisa ler esse livro. A máquina diferencial apresenta uma Londres vitoriana super avançada tecnologicamente com maquinas/computadores movidas a vapor e uma conspiração política, tudo muito bem desenvolvido pelos dois autores.

NEUROMANCER, William Gibson, 320 páginas: O clássico da ficção cientifica e que gerou o termo cyberpunk, nos apresenta um hacker que após roubar do seu contratante, acaba sendo envolvido num experimento e perde as sinapses cerebrais necessárias para adentrar ao “mundo digital”, e faz de tudo para recuperar isso até conhecer uma mulher misteriosa que vai mudar o ritmo de sua vida.

O PERFURANEVE, Lob; Rochette e LeGrand, 280 páginas: O planeta está soterrado por neve de uma ponta a outra. O último bastião de civilização é o inabalável expresso Perfuraneve. Seria ele capaz de salvar a espécie humana de uma extinção, ou será que ele irá se consumir em caos? Preciso falar mais ou essa premissa já encanta qualquer fã de um futuro pós apocalíptico.

Continue lendo

Mais um mês do nosso desafio cinematográfico chega ao fim, e como prometido vim lhes contar o que eu risquei como concluído em minha lista este mês. Caso você ainda não tenha visto o resumo dos dois primeiros meses poderá fazer isso clicando aqui.

Não foi bem intencional, mas neste mês eu conclui os itens unicamente com filmes que retratam ou foram de fato feitos antes dos anos 2000, dando destaque para os anos 80 e 70.

O que por um lado foi legal, pois tive contato com muitas coisas que influenciaram as novas produções. Mas me sinto obrigado em dizer que: Os tempos eram outros, então muitos dos pensamentos ou coisas retratadas podem acabar incomodando a sociedade atual de certa forma.

Em Março tivemos 5 semanas, por conta disso, listei 5 filmes dos quais eu vi.

E FORAM ESSES:

9.Um clássico da animação infantil – Bernardo e Bianca (Wolfgang Reitherman, John Lounsbery e Art Stevens. 1977)

Bernado e Bianca foi o primeiro filme que assisti para esse mês. E analisando a estrutura da animação o contrate com as produções atuais fica em grande evidencia. A historia corre de forma rápida, e sem muitos rodeios ou mistérios para solução do caso.

O filme apresenta a Sociedade de Proteção e Ajuda, formada por camundongos de diversos países, se reúne no prédio da Nos interiores do prédio da ONU camundongos se reúnem para formar a Sociedade de Proteção e Ajuda. Desta vez uma garrafa com uma carta molhada é encontrado, assinada por uma garota chamada Penny com um pedido de ajuda. Bianca se voluntaría para assumir o caso e Bernado é apontado como acompanhante. Juntos eles embarcam em uma missão de investigação e resgate pela garota.

10. Um filme dirigido e roteirizado por pessoas com menos de 40 anos – Kong: A Ilha da Caveira (Jordan Vogt-Roberts, 2017)

Kong ganhou resenha aqui no blog, mesmo assim irei falar um pouco mais sobre ele. Apesar da historia não ser centrada na vida do animal do começo ao fim, o filme não deixa de destaca-lo como um forte protagonista. O longa foi dirigido por Jordan Vogt-Roberts (de 32 anos), e preparado por uma equipe que conta com jovens roteiristas também. A inspiração da cultura pop, que cresceu com sua geração, também mostra-se muito presente no filme.

O longa acabou me surpreendendo, eu não havia lido muitas coisas sobre a produção antes, por conta disso eu esperava de certa forma um remake da clássica historia de King Kong – o que não aconteceu. Você irá encontrar no máximo pequenas referencias do amor da fera pela mocinha da história, e a expedição que o revela.

Leia minha resenha para saber um pouco mais sobre a historia.

11.Um musical vintage (anterior aos anos 90) – The Rocky Horror Picture Show (Jim Sharman e Richard O’Brien, 1975)

A convite do Gustavo assisti Rocky Horror para entrar no clima da adaptação musical brasileira que ele foi assistir e contou sobre sua experiência aqui no blog. Essa trama surreal, é recheada de referencias da cultura pop da época, e passou a ser uma para muitos depois. Com um humor sarcástico e malicioso, e musicas contagiantes, Rocky Horror marcou a carreira de Tim Curry e Susan Sarandon.

Este musical narra jornada de Brad Majors (Barry Bostwick) e Janet Weiss (Susan Sarandon), um casal que decide buscar ajuda em uma noite tempestuosa quando seu carro fica com um dos pneu furado. Os dois acabam se deparando a monumental mansão do Dr. Frank N. Furter (Tim Curry), um travesti com ares de cientista louco que está sempre em busca de prazer e no momento se dedica a criar Rocky (Peter Hinwood) um homem capaz de satisfaze-lo.

12.Um filme que se passe em apenas uma estação do ano – December Boys: Um Verão para Toda Vida (Rod Hardy, 2007)

O verão costuma ser uma das estações preferidas para os filmes coming-of-age, não poderia ser diferente com December Boys, que apesar de não se passar 100% em um ano, remeta apenas ao verão.

O filme acompanha o verão de quatro órfãos, que pela primeira vez estão tendo a possibilidade de passar as ferias de dezembro, mês de seus aniversários, longe do orfanato católico do interior onde moram e estudam para ficar em um vilarejo no litoral.

Manteiga (Lee Cormie), Mapa (Daniel Radcliffe), Faísca (Christian Byers) e Cuspe (James Fraser) possuem habilidades e personalidades diferentes, mesmo assim costumam ser inseparáveis e vivem juntos todas as experiências de descobertas e transição para o amadurecimento. Durante sua estadia Manteiga ouve de um casal que eles possuem interesse em adotar um dos quatro, e sua conexão espiritual o leva a crer que ele seja o melhor para isso, escondendo assim esse segredo dos outros. Enquanto isso Mapa, o mais velho, vive uma paixão de verão que mudará sua vida.

13.Uma comédia dos anos 80 ou 90. – Sixteen Candles: Gatinhas e Gatões (John Hughes, 1984)

Os filmes de John Hughes ficaram conhecidos por dialogar com os adolescentes americanos dos anos 80, trazendo assuntos dos quais eles queriam de fato falar, e sentimentos dos quais eles realmente entendiam. Molly Ringwald foi uma grande parceira deste diretor, estrelando muito dos seus filmes e tornando-se uma admiração adolescente. Gatinha e Gatões cria humor a partir da posição social na escola, a relação familiar, e o autoconhecimento.

A protagonista Samantha Baker (Molly Ringwald) é uma jovem cheia de sonhos que carrega um amor platônico por Jake Ryan (Michael Schoeffling) típico garoto popular do ensino médio, mas que na verdade esconde um olhar sensível e um interesse sincero em um relacionamento sério. Mas que no entanto namora Caroline Mulford (Haviland Morris) que não o passa essa segurança.

Após ter a data de seu aniversario ofuscada pelo casamento de sua irmã, Sam passa a acreditar que as coisas já deveriam ter começado a mudar em sua vida. Até que então o estranho Ted (Anthony Michael Hall – *que também fez “o clube dos cinco“) lhe entrega uma informação importante sobre Jake.

E esses foram os filmes que eu assisti este mês. E você está o que tem assistido? Já viu algum filme desta lista? Me conte aqui nos comentários!

Abraços! E até mais.

:)