Seja você paulistano ou não, eu tenho um conselho: Visite o MASP! Sempre que estiver pela Paulista, nem que seja para matar tempo ou ver um artista de rua no vão, o passeio até lá vale muito! Sempre que possível conhecer a exposição que o museu desenvolve – e são muitas – isso só acrescentará à experiência.

Atualmente o museu exibe a mostra Histórias de Infância (e se você quer ir, corra! Porque semana que vem ela fecha). As curadoras, ambas da área de história criaram uma experiência imersiva para o visitante que desejar se aventurar. No primeiro andar do museu e no subsolo, desfilam sobre os olhos do visitante um grande número de obras, todas com uma coisa em comum: a infância. Chego a pensar se não era o desejo da curadoria estimular que nós, os visitantes, reflitamos sobre o significado do que é ser criança.

Imagem: Gustavo Sivi – Composição de Obras expostas. 

Essa reflexão é mais do que necessária. É crucial para nós adultos e também para as crianças, que desta vez foram convidadas para dentro da mostra, que pensemos na multiplicidade desta experiência. Ser criança não é somente ser um adulto em potencial, mas é ser um anjo, é construir brincadeiras, é enfrentar a morte, a vida, o nascer, o mundo da educação e também o mundo adulto. Esses são os 6 tópicos que estruturam esta mostra.

Desta forma, a exposição gira em torno destes tópicos, ao mesmo tempo que genialmente explode qualquer auspício cronológico. Logo que o visitante entra, é recebido por duas imagens lado a lado; uma fotografia de dois meninos negros em um dia de praia, trajando somente roupas de banho e uma pintura de duas crianças europeias, brancas e com trajes de gala. Ali é necessário parar e entender essas infâncias em conflito.

Rosa e Azul - Brasilia teimosa - Masp 2 - faltoufoco

Não é, de forma alguma, um passeio infantil, porém a presença da criança dentro desta mostra é importante. A exposição até convida que elas integrem o público, quando opta por baixar a altura das obras expostas até a altura dos olhos dos pequenos. O que vi foram crianças concentradas, tentando entender seu igual que também é seu diferente, mesmo na sessão que lida com retratos de morte infantil, as crianças ao meu redor pareciam imersas na visualidade dos quadros, tentando compreender cada detalhe.

Por fim, a beleza da exposição esta na sua oposição, girando entre beleza e drama, caos e organização, sagrado e mundano, etc… Seria necessário muitas e muitas páginas para falar de cada detalhe, e cada obra desta exposição incrível, mas não tenho esse espaço.

Imagem: (A) Reprodução da Obra de Cândido Portinari, (B) Gustavo Sivi – Obras expostas.

Ah! Uma última nota, a visita ao subsolo compensa tanto quanto toda a exposição. Para as mães, porque ali estão expostas as obras sobre a natividade, que é tão bela, porém cercada de tanta dor ao longo da história. Com certeza gerará reflexões nos corações das mães que são inimagináveis para mim. Os pequenos também podem curtir esse segundo momento porque é lá embaixo que esta o playground artístico, construído especialmente para eles – uma espécie de arte viva.

imagem: Gustavo Sivi.

COMENTÁRIOS

Não existem comentários

Os comentários estão fechados.